Tamanho do texto

A gengivite é o estágio inicial da doença periodental e pode gerar problemas de saúde que vão além da boca do animal

Escovar os dentes. Essa é uma tarefa que os humanos fazem todos os dias, repetidas vezes. Faz parte dos cuidados com a saúde e da higiene pessoal. Mas, com a maioria dos animais é diferente porque os donos não dão a devida importância para a ação quando se trata dos bichinhos de estimação. O problema é que com o passar do tempo e a falta de limpeza a placa bacteriana vai se formando, aumentando e causando problemas como a gengivite em gatos.  

+ Como cuidar dos dentes de cachorro e gato filhotes 

A gengivite em gatos é comum nos animais idosos, atingindo quase 90% deles, em níveis diferentes, o mais grave deles é conhecido como doença periodental. O problema consiste basicamente na inflamação da gengiva e de outros tecidos bucais causados pela grande presença de placa bacteriana. Além de causar dor e queda dos dentes, pode ajudar no desenvolvimento de doenças mais graves. Por isso o dono deve tomar muito cuidado. 

Causas da gengivite em gatos

A gengivite é causada pelo acúmulo de placa bacteriana nos dentes do animal que ocorre devido a falta de cuidados com a higiene bucal. O nível de gravidade da doença aumenta com o tempo e se não houver tratamento rápido, não há cura. 

Mas esse não é a única causa. O tipo de alimentação do gato também pode ser fator determinante. Para continuar com os costumes que tinha na natureza, o animal precisa comer alimentos com diferentes texturas, não apenas sólidos. Brincadeiras que objetos que instiguem o extinto predador e o façam morder também são importantes. 

Além disso, há um vírus conhecido pelo nome de calicivírus que pode causar o problema.  


Sintomas

Para que o tratamento se inicie o mais rápido possível, não apenas quando o animal já estiver com um nível avançado, apresentando dor, queda dos dentes e mau hálito forte, o dono precisa dar atenção ao problema da gengivite e manter o animal em observação. Assim é importante saber que uma gengiva saudável possui cor clara, é rosadinha, já a doente é vermelha. A gengivite se inicia com uma linha avermelhada e com o tempo se desenvolve. 

Caso não haja essa observação, provavelmente um dos primeiros sinais a ser notado será a dor. O gato começará a sentir um incômodo na hora de comer ou brincar com determinados objetos. Ração seca não será um opção agradável para ele, dessa forma irá se alimentar em menores quantidades e emagrecer. Mau hálito também será notado.

Qualquer um dos sintomas já é motivo de sobra para que o dono leve o gato ao veterinário para que haja um diagnóstico e orientação para o tratamento. 

+ Doença Periodental: cães e gatos também precisam cuidar dos dentes

Tratamento

O tratamento vai depender do nível que a doença está. A gengivite leve pode ser tratada em casa, pelo próprio dono. Já no estágio da doença periodental alguns procedimentos mais sérios como limpezas especializadas precisam ser feitos para aliviar a situação, mas geralmente não existe uma cura para a situação. 

Consequências

Além da dor, dificuldade para comer, queda de dentes e mau hálito já ditos acima, a gengivite quando em estágio mais avançado pode causar problemas graves. A dificuldade para comer que causa emagrecimento pode acabar em anemia e até depressão do animal que passa a ter dificuldade de interação. As bactérias presentes na boca podem cair no sistema sanguíneo e acabar afetando outros órgãos, o estômago costuma ser um dos mais afetados. 

+ Como exercitar os gatos e garantir uma melhor qualidade de vida para eles

Prevenção

+ Gato babando pode ser motivo de alegria ou preocupação

A prevenção da gengivite em gatos pode ser feita por um conjunto de ações. A primeira e mais importante é a escovação dos dentes do animal que deve ser feita pelo menos três vezes na semana com escova e pastas especiais para animais de estimação. A segunda é a manutenção de uma dieta variada com rações secas, molhadas e até mesmo frutas. A terceira é incentivar o animal a morder e manter os dentes fortes, brinquedos específicos podem fazer essa função. A quarta é manter a saúde do animal em dia e consequentemente seu sistema imunológico será forte. A quinta e realizar visitas de check-up anuais no veterinário.   


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.