Com acidente envolvendo um estudante de medicina veterinária e uma cobra da espécie naja, muitas pessoas estão em dúvida sobre quais serpentes são permitidas como pets no Brasil. No fim, a cobra revelou uma rede de tráfico de animais exóticos no país. 

Entramos em contato com o Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis) e fomos informados que todas as cobras não peçonhentas - ou seja, que não inoculam veneno - são permitidas como animal doméstico no Brasil

jiboia
Reprodução/ Shutterstock
jiboia


Porém, para ter a permissão de criar um pet exótico desses, é preciso entrar em contato com o órgão regulador de cada estado, que terá suas próprias normas para que esse animal seja adquirido e cuidado na sua casa. 

Vale lembrar a definição de animal exótico, que é todo espécime que não pertence à fauna nativa do país e, os silvestres, são os animais nativos e selvagens, como papagaios, araras, salamanta. 

Você viu?

Camila Gregorutti Soares, médica veterinária especializada em animais exóticos da AmahVet, cita as espécies mais comuns de cobras que são tidas como animal de estimação:

  • Salamanta ou Jiboia-vermelha ( Epicrates cenchria cenchria );
  • Jiboia-constritora ( Boa constrictor );
  • Cobra do milho ( Pantherophis guttatus );
  • Píton ( Python regius ).

O biólogo da Cobasi, Tiago Calil, explica sobre os perigos - além do veneno - de criar cobras peçonhentas como pet, não só por ser uma atividade ilegal. "No caso da Naja e outras cobras exóticas que não se pode ter em cativeiro, o perigo é que soltas no ambiente elas são predadoras de espécies nativas, ao mesmo tempo que não têm predadores naturais na região, afetando o equilibrio do meio ambiente e, caso existir a possibilidade de reprodução, podem virar uma praga", finaliza.

As cobras venenosas só podem ser criadas - se nativas - por indústrias do ramo da saúde para fins farmacêuticos, como soros antiofídicos e remédios - um exemplo é a homeopatia, que tem um dos princípios ativos chamado Lachesis , gênero da famosa surucucu - e também para pesquisa, como no Instituto Butantan.


    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários