Tamanho do texto

Em alguns casos o uso do carrinho é justificável, em outros ele pode fazer com que o animal não gaste energia e ganhe peso

O conceito de “pais” de pet está cada vez mais comum entre os brasileiros e é comum encontrar roupinhas, embelezamento, e muitos acessórios para os pets. Um deles é o carrinho de bebê para cachorro , que serve para transportar o animal de um lugar ao outro. Porém, esse tipo de objeto é realmente necessário ou pode ser prejudicial para o aprendizado e locomoção do animal? A veterinária Roseli Berto Sabbadini explica.

Leia também: 5 dicas para manter a pele do animal saudável e a pelagem linda

Carrinho de bebê para cachorro é utilizado nas ruas arrow-options
shutterstock
Carrinho de bebê para cachorro é utilizado nas ruas


A utilização do carrinho de bebê é indicada, sim, mas em apenas alguns casos. “Quando o animal tem algum déficit locomotivo (jovens ou idosos), filhotes ainda não imunizados (com intuito de prevenir doenças), e em casos extremos em que o animal é proibido de transitar em coleiras, o que acontece em alguns condomínios”, afirma Roseli.

Mas há quem não queira que o animal se suje, e acaba optando por esse tipo de objeto. Se o intuito de passear com o pet é levá-lo para fazer exercícios e gastar energia, com o carrinho de bebê o propósito desse tipo de passeio é inexistente. “Nos deparamos com tutores que aderem o carrinho para fazer a locomoção rápida de seu pet , ou mesmo por estilo”, explica.

Leia também: Acupuntura em pets realmente funciona? Veterinária explica

Portanto, a recomendação é o bom senso.  “Um animal saudável e em condições normais de locomoção necessita de atividades físicas e da interação com outros animais e pessoas”, alerta a veterinária.