Tamanho do texto

É importante que o pet esteja com uma pessoa de confiança durante o passeio

Os cães precisam passear todos os dias, mesmo que ele viva em uma casa grande ou com um quintal para brincar. O exercício é fundamental para manter o animal saudável e para que ele gaste a energia que sobra. Mas como conciliar isso com a vida corrida e atribulada? Para dar uma mãozinha, surgiu o passeador de cães, ou dogwalker, como é chamado originalmente.

+Dicas para evitar problemas durante o momento de passear com cachorro

Algumas dicas podem te ajudar a escolher um passeador de cães
Reprodução/ Redes Sociais
Algumas dicas podem te ajudar a escolher um passeador de cães



Em países como Argentina e EUA, os dogwalkers são muito populares e ganham as ruas para melhorar as condições físicas e psicológicas dos animais. Para quem não têm tempo para levar o pet à rua, o passeador de cães pode ser uma solução prática. Entretanto, demanda cuidado na hora de escolhê-lo, já que tem de ser de confiança. 

Para saber como decidir o dogwalker mais apropriado, veja alguns passos necessários. 

1. Bater um papo com o passeador

Marcar uma primeira conversa com o passeador é fundamental para sanar todas as suas dúvidas. A formação do profissional e forma de trabalho, por exemplo, devem ser questionados, o que inclui se ele faz tudo sozinho ou em grupo. Quantos cães ele leva por vez e como ele dá os comandos ao animal, para sentar e esperar também é relevante. 

Se possível, veja se há referências com clientes do profissional, vizinhos ou com o próprio médico veterinário. 

2. Marque um passeio 

Marcar um passeio para testar e observar a conduta do profissional para com o animal é importante. Preste atenção no comportamento do peludo e se ele fica feliz em ver o passeador. 

3. Faça mais um teste

Passado um mês de passeio, é bom reavaliar o comportamento do seu cão, se ele está mais tranquilo e sociável. 

+Seu pet se machucou? Confira as dicas de primeiros socorros

via GIPHY


A profissão de passeador

Essa ocupação ainda não é regulamentada ou fiscalizada e é, muitas vezes, considerada um bico. Mas há aqueles profissionais que buscam diversos cursos para se diferenciar no mercado. A própria competição com as creches de cães exige essa atualização do passeador sobre assuntos diversos, como adestramento, primeiros socorros e até estética. 

Se a intenção do tutor é que o cão seja mais sociável, gaste energia, fique relaxado ou tenha uma saúde psicológica mais estável, então é melhor optar por um passeador de cães formal. As técnicas aprendidas em cursos vão influenciar no comportamento do seu cão, quando ele estiver com a família, em casa ou na rua.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.