Tamanho do texto

É preciso tomar muito cuidado na hora de escolher as plantas que irão fazer parte da decoração da casa

Olá, amigos do Canal do Pet! Vocês se preocupam com as plantas ornamentais que compram para decorar a casa?

+ Veja as comidas comuns que podem matar seu cachorro

Plantas ornamentais que normalmente enfeitam jardins, varandas e sacadas nas casas das pessoas podem ser bastante perigosas para os pets. Algumas espécies possuem um grau de toxicidade bem alto e, se ingeridas pelo animal, podem levar até a intoxicações graves.

Algumas plantas ornamentais não fazem bem para os animais de estimação
shutterstock
Algumas plantas ornamentais não fazem bem para os animais de estimação


Todas são tóxicas?

Não, nem toda a espécie de planta usada em jardinagem será prejudicial ao cão ou gato em caso de ingestão.

Aliás, o grau de toxicidade, mesmo das plantas sabidamente tóxicas, pode variar bastante, dependendo da espécie, assim como os seus efeitos. Devemos levar em conta também que os efeitos podem ser diferentes em cada indivíduo. Por exemplo, uma planta com toxina que afeta o fígado pode ter efeitos muitos mais graves em um pet que já apresent algum comprometimento desse órgão.

Por isso, é recomendável sempre consultar uma lista de plantas tóxicas para cães e gatos proveniente de fontes confiáveis (veja aqui uma lista divulgada pela Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da USP), antes do início de um projeto paisagístico no jardim. 

Alguns exemplos

Os lírios são exemplo de plantas que fazem mal aos animais de estimação
shutterstock
Os lírios são exemplo de plantas que fazem mal aos animais de estimação

Abaixo, algumas espécies de plantas comuns em jardins, mas que apresentam diferentes graus de toxicidade para os pets.

  • Lírio e lírio-da-paz: pode causar irritação oral e de mucosas, irritação ocular, dificuldade de engolir e também, em casos mais graves, problemas respiratórios. Podem ocorrer alterações nas funções renal e neurológica.
  • Azaleia: o princípio ativo andromedotixina é uma substância que, quando ingerida, pode causar distúrbios digestivos até 6 horas após o consumo, além de provocar disfunções cardíacas.
  • Mamona: o princípio ativo tóxico se chama ricina, presente nas sementes da planta. Os sintomas da ingestão podem ser observados aproximadamente após 24 horas da ingestão. O animal pode apresentar vômitos, diarreia, hipersalivação, sangue nas fezes, sensibilidade abdominal, cólicas, hipertermia e desidratação. A intoxicação em animais ocorre muito em razão de ingestão de óleo de rícino, torta de mamona ou resíduos da planta usados como adubo.
  • Espada-de-são-jorge: possui substâncias bastante tóxicas. Entre os sintomas está a dificuldade de movimentação e de respiração devido à irritação da mucosa e salivação intensa.

O que fazer

Sempre tenha fácil o telefone do médico veterinário do seu pet para entrar em contato imediatamente, em caso de qualquer problema, como esse de intoxicação por plantas.

Caso você perceba que o cão ou gato ingeriu alguma planta tóxica (mesmo que ainda não esteja apresentando sintomas), dependendo da toxina ingerida, o veterinário poderá passar os primeiros socorros que você deverá providenciar até chegar à clínica.

+ 5 mitos sobre cachorros e gatos que você precisa descobrir a verdade agora

Em alguns casos, por exemplo, induzir o vômito pode ser a primeira medida necessária. Mas nem sempre induzir o vômito é seguro, por isso, não deixe de ligar para o veterinário de sua confiança.

De preferência, leve amostra da planta ingerida para uma rápida identificação, o que certamente auxiliará no tratamento adequado e imediato.

Como prevenir

A melhor medida para evitar intoxicação é ter plantas ornamentais que não prejudiquem a saúde dos pets. E, de qualquer maneira, para não ter o jardim totalmente destruído (mesmo que ele só tenha exemplares seguros), é possível mantê-los longe das plantas. Isso se faz garantindo que tenham acesso a atividades que os distraiam e os mantenham motivados, além de garantir que expressem os seus comportamentos naturais como farejar, roer e escalar (no caso de gatos) em locais adequados e direcionados a eles (passeios com os cães, por exemplo).

Um abraço,

Alexandre Rossi. 

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.