Guia de Bichos
Pug - undefined

Pug

  • Nome no Brasil: Pug
  • Nome original: Pug
  • País de origem: China
  • Preço médio: R$2.000 à R$5.000
  • Tipo de pelo: Curto

Tudo sobre Pug

Porte: pequeno
Área de criação: pequena
Energia: baixa
Temperamento: dócil

Descrição

  • Grupo: 9 – Cães de Companhia e Toys
  • Porte: pequeno
  • Função original: cão de companhia e colo
  • Tamanho do macho: 30 a 36 cm
  • Tamanho da fêmea: 25 a 30 cm
  • Peso do macho: 6 a 8 Kg
  • Peso da fêmea: 6 a 8 Kg
  • Tipo de pelo: fino, curto e macio
  • Temperamento: atencioso, alegre, divertido, companheiro e inteligente
  • Expectativa de vida: 12 a 15 anos
  • Preço médio: entre R$ 2 mil e R$ 5 mil

Escala de 1 a 5
  • Para tutores de primeira viagem:5
  • Energia: 3
  • Inteligência: 2
  • Facilidade de adestramento: 3
  • Como cão de guarda: 1
  • Adapta-se ao calor: 1
  • Adapta-se ao frio: 2
  • Adapta-se bem à vida em apartamento: 5
  • Necessid ade de atividades físicas: 3
  • Fica bem sozinho: 1
  • Relacionamento com a família: 5
  • Relacionamento com crianças: 4
  • Relacionamento com estranhos: 4
  • Relacionamento com outros cães: 4
  • Tendência a latir: 2
  • Tendênc ia à obesidade: 5


Cão de pequeno porte, aparência robusta e quadrada. Possui o focinho bem curto e a cauda enrolada e apoiada no dorso. A pelagem é fina, curta e macia e encontrada nas cores prata, damasco, fulvo ou preto. Possuem uma máscara preta na face.

A origem do Pug é de muitos séculos atrás, provavelmente surgindo na China Antiga. Há registros, datando de 700 a.C., que falam de "Short Mouthed Dog", ou seja, cães de "boca curta" e possivelmente eles são os precursores do Pug. No século II a.C. existiam relatórios dizendo que a raça apareciam relacionados à realeza, garantindo cuidados estremos e, inclusive, servos destinados apenas aos seus cuidados. Já no ano 950 d.C. o imperador Kang Hsi elaborou um dicionário com todos os símbolos chineses e nele há duas referências que pode ser a descrição de um Pug: "cães com pés curtos" e um "um cão com uma cabeça curta". 

Por volta do ano 1300, havia três cães principais na China: o Lo-sze, Peqeuinês e Lion Dog. Eles eram frequentemente cruzados entre si, nascendo descendentes com características variadas. Entre essas ninhadas, eles possivelmente geraram o Pug, Pequinês e Saniel Japonês. 

No final do século XVI, a China começou a comerciar com países da Europa por conta das grandes navegações. Esses pequenos cães foram oferecidos como presentes pelos comerciantes e começaram a ser exportados para o Ocidente. Os Pugs apareceram, na Europa, inicialmente na Holanda, em consequência da famosa companhia mercantil, a Dutch East India Company. Assim começou a ascensão da popularidade do Pug nos países europeus. 

Em 1689, a raça pisou na Inglaterra, quando os governantes holandeses William e Mary assumiram o trono inglês após a queda do pai de Mary, James II. Foi lá que o cão ganhou o nome de Pug. A popularidade da raça se espalhou pela Europa, recebendo diferentes nomes dependendo do país: Carlin na França, Dogullo na Espanha, Mops na Alemanha e Caganlino na Itália. 

Existem duas teorias para a origem do nome da raça. A primeira, e a mais confiável, diz que pug provém de pugnos, uma palavra em latim que significa punhos. Isso porque o focinho achatado do cão lembrava a imagem de um punho humano. A segunda acredita que o nome deriva de uma forma coloquial que era usada para referir-se a todos os cães durante o século XVIII na Inglaterra.

O artista William Hogarth era proprietário de Pugs pretos e ele foi o responsável por pintar a raça em seus quadros. Graças a ele, existe registro da aparência do cão há 250 anos. Em 1785, Goys também retratou Pugs em suas pinturas. 

Maria Antonieta também teve um Pug chamado Mops antes de se casar com Luís XVI aos 15 anos. Outra famosa francesa, Josephine Bonaparte, tinha um chamado Fortune. Antes de se casar com Napoleão Bonaparte, ela ficou confinada na prisão de Les Carmes. Como o seu querido Pug era o único "visitante" permitido, existem boatos dizendo que ela escondia mensagens na coleira para levar a sua família.

No início dos anos 1800, os Pugs ingleses desenvolveram-se em duas linhagens. Uma dela foi chamada de Morrison, que foi criada sobre os cães reais da rainha Charlotte, esposa de George III. A outra linhagem foi desenvolvida por Lord e Lady Willoughby d'Eresby, responsável pela pelagem mesclada com fios pretos, o corpo mais esguio e pernas mais longas. Ambas foram concorrentes por muitos anos.  

Equanto isso, na China, os Pugs continuaram a ser criados pelas famílias reais. Quando os britânicos invadiram o Palácio Imperial chinês, em 1860, eles descobriram vários exemplares da raça e levaram alguns dos cachorros de volta para a Inglaterra com eles. Dois dos cães se chamavam "Lamb" e "Moss", que cruzaram e produziram um filhote chamado "Click". Ele foi fundamental no desenvolvimento da raça moderna, pois produziu características que, associadas à combinação das linhagens Willoughby e Morrison, resultaram no desenvolvimento das características fenotípicas atuais da raça.

Os Pugs foram introduzidos nos Estados Unidos após a Guerra Civil e a raça foi reconhecida pelo American Kennel Club em 1885.  Não demorou muito para que os Pugs se tornassem membros de muitas famílias americanas e participasse de shows e competições. 

Na época, os Pugs eram muito populares, mas na virada do século, o interesse na raça diminuiu. Alguns criadores dedicados continuaram criando e, depois de alguns anos, a raça recuperou a popularidade. Fundada em 1931, o Pug Dog Club of America também foi reconhecido pelo AKC naquele ano.

Características

O Pug é um cão muito atencioso, brincalhão e alegre. Ótima companhia e sempre alerta é apegado aos donos e a família, além de se relacionar bem com crianças e outros cães. É inteligente e aprende com muita rapidez, mas se entedia facilmente na ausência de exercícios mentais e físicos constantes. O Pug deve ser treinado para se submeter à liderança dos donos ou pode se tornar possessivo.  São perfeitos tanto para famílias com crianças, quanto para casais. São bons, inclusive, para tutores estreantes ou sem muita experiência com cães.
Muito fiel ao dono, esse pequeno cão vai a todos os lugares atrás dele. Mas não é só com sua família que ele se dá bem, mas com qualquer tipo de pessoa, inclusive estranhos. É considerada uma das raças mais dóceis e sociáveis.  Por causa dessa ligação, tutores devem trabalhar para que não desenvolvam ansiedade de separação nos momentos que ficarem sozinhos. E também, por conta dessa fácil socialização, ele não é a raça mais indicada pra cão de guarda.

De temperamento calmo, esse cão adora ficar no colo e não late à toa.  Apesar de seu tamanho pequeno, tem uma personalidade forte, é obstinado, mas raramente agressivo.  O Pug é conhecido por acompanhar o humor de seus donos. Em geral, são quietos, amáveis, mas também pode se mostrar vivaz e agitado sempre que estimulado.

Outra característica bem diferente é o latido. O som é muito parecido com um roncar, é intervalado por grunhidos como se o cão estivesse engasgado. No entanto, quando quer comunicar-se com alguém, o som torna-se mais agudo e longo. Vale ressaltar que o Pug ronca bastante por conta do formato do seu focinho.

  • Pequeno e robusto, seu corpo é quadrado e atarracado
  • Bem compacto, de proporcionalidade entre as partes e com musculatura firme
  • Deve mostrar “multum in parvo ” (muita substância em um pequeno volume), o que transparece em sua forma compacta, com proporcionalidade entre as partes e musculatura firme
  • A cabeça é grande, arredondada, nunca em forma de maça
  • A pele da testa possui rugar claramente definidas
  • O focinho é curto, quadrado, sem ser projetado para cima
  • A trufa é preta
  • Os olhos são muito grande, de formato globular, escuros e passam a impressão de doçura e simpatia
  • A boca acompanha o focinho, sendo achatada e sua região no entorno é preta
  • A face do cão é cheia de rugas, algo característico da raça e há uma ruga grande sobre o nariz 
  • As orelhas são finas, pequenas, pretas, macias e se dividem em dois tipos: "orelha em rosa" - pequena, caída, dobrada para trás e exibindo a face interna; "orelha em botão" - caída para frente, com a ponta pousando junto ao crânio e apontando para os olhos. Está última é a preferida
  • o pescoço é levemente arqueado para parecer uma crista, forte, grosso e de comprimento suficiente para o porte da cabeça
  • Tronco curto e compacto
  • Dorso com linha superior plana; nem selada, nem carpeada. Largo e com boas costelas
  • Costelas bem arqueadas e bem voltadas para trás
  • Pernas curtas e musculosas
  • Visto de frente, os membros devem movimentar-se no mesmo plano dos ombros e corretamente direcionados para frente
  • A cauda é enroscada o mais apertado possível (espiral), sobre a garupa. Duplamente enroscada é altamente desejável
  • A pelagem é fina, lisa, macia, curta e brilhante, nem áspera nem lanosa
  • As cores aceitas são prata, abricó, fulvo ou preto. Cada uma claramente definida para fazer um completo contraste entre as cores, o traço (uma linha preta que se estende do occipital  até a cauda) e a máscara
  • O focinho ou máscara, orelhas, sinais nas bochechas, marca do polegar ou diamante na testa e o traço  devem ser o mais preto possível

Cuidados básicos

Não há uma frequência obrigatória de banhos e escovações. Todas as vezes que o cão for lavado deve-se atentar para a secagem, pois a raça tem tendência a sentir frio. Essa raça costuma desenvolver problemas de pele e de respiração, logo o acompanhamento veterinário é recomendado.  O Pug não precisa gastar muita energia, então passeios leves e brincadeiras 

Fique atento a alimentação do Pug, pois ele tem uma grande tendência à obesidade. Não o deixe comer demais ao dia e evite dar alimentos humanos. Um pote de água limpa e fresca e uma boa quantidade de ração são perfeitos. 

A raça possui uma série de restrições físicas, como no caso da respiração e intolerância a temperaturas buscas. No caso do clima, o Pug não deve sofrer fortes mudanças de temperatura.  Se não vive em um local frio, deve ter sempre acesso a um ar condicionado no verão. A raça jamais deve ficar na rua, pois são cães para viver dentro de casa. 

Já sobre a respiração, saiba que o Pug é um cão braquicefálico. Isso significa ele possui um maxilar inferior normal, ou seja, que seja proporcional ao seu tamanho corporal, e um maxilar superior recuado, o famoso focinho achatado. Mas essa aparência o fez ter sérios problemas respiratórios. Então, é por isso que longas horas de exercícios físicos não são recomendadas, já que o animal se cansa mais rápido devido à dificuldade para respirar. Essa condição também gera os roncos quando dorme.

Com relação à pelagem, a raça solta muitos pelos, principalmente no outono e primavera. Escovações diárias durante esse período ajudam a diminuir a queda. 

Pugs precisam ter as rugas da face limpas a cada três dias. É importante secar bem após a limpeza, pois se a parte interna ficar úmida pode levar a proliferação de fungos e criação de assaduras.


Fique atento aos olhos da raça. Por conta do seu aspecto saltado, eles precisam de maior cuidado nessa região. Limpe-os com soro fisiológico regularmente e seque bem a região. Caso perceba alguma secreção ou machucado levo o animal imediatamente ao veterinário.

Apare as unhas quinzenalmente e escove os dentes, com pasta de dente aprovadas por veterinários, todos os dias para manter uma boa saúde e hálito fresco.

Alimentação

A quantidade de ração varia de acordo com o peso e o tamanho do animal e pode ser encontrada nas embalagens.
Deve-se alimentar o cão de duas a três vezes por dia e manter água à vontade. Cães de pequeno porte consomem rações small breed.
A qualidade da ração é fundamental para a saúde do animal. As do tipo Premium e Super Premium são as nutricionalmente balanceadas.
Até os doze meses, o Pug é considerado filhote. Nesta fase, a quantidade de ração varia de 95 a 100 gramas por dia. O alimento indicado são rações específicas para filhotes.
A partir de um ano o cão é considerado adulto. Deve-se mudar a ração e a quantidade varia de 85 a 110 gramas/dia.

Espaço para criação

Essa raça se adapta bem em apartamento e espaços pequenos, mas deve se exercitar diariamente.

Curiosidades

Na novela por Amor, exibida na TV Globo em 1997, a raça ganhou destaque como Inês, a cachorrinha da perua Meg (Françoise Forton)
Conheça outras raças de cães