Guia de Bichos
Labrador Retriever - undefined

Labrador Retriever

  • Nome no Brasil: Labrador
  • Nome original: Labrador Retriever
  • País de origem: Grã-Bretanha/Canadá
  • Tipo de pelo: Médio

Tudo sobre Labrador Retriever

Porte: médio
Área de criação: média
Energia: alta
Temperamento: dócil

Descrição

    • Grupo: 8 – Retrievers, Levantadores e Cães de Água
    • Porte: 1 – Retrievers
    • Machos: altura: entre 57 e 62 centímetros, peso: entre 29 e 36 Kg
    • Fêmeas: altura: entre 54 e 60 centímetros, peso: entre 25 e 31 Kg
    • Expectativa de vida: 10 a 12 anos 
      Tipo de pelo: dupla pelagem, com a camada externa formada por pelo curto, denso e reto; o subpelo é resistente
      Temperamento: gentil, extrovertido, inteligente

    Escala de 1 a 5 

    • Para tutores de primeira viagem: 3
    • Energia: 5
    • Inteligência: 5
    • Facilidade de adestramento: 5
    • Como cão de guarda: 2
    • Adapta-se ao calor: 3
    • Adapta-se ao frio: 3
    • Adapta-se bem à vida em apartamento: 1
    • Necessidade de atividades físicas: 5
    • Fica bem sozinho: 2
    • Relacionamento com a família: 5
    • Relacionamento com crianças: 5
    • Relacionamento com estranhos: 5
    • Tendência a latir: 3
    • Tendência à obesidade: 5

    Cão de grande porte, forte e robusto. Possui dupla pelagem, com a camada externa formada por pelo curto, denso e reto. O subpelo é resistente. Encontrado nas cores preto, amarelo (do creme ao dourado-avermelhado) e chocolate. Pode ter uma mancha mais clara no peito. Os olhos geralmente são marrons. A cauda, de comprimento médio, é mais larga na base, afinando até a ponta. 


    Acredita-se que o ancestral direto do Labrador Retrivier, o St. John’s Water Dog foi desenvolvido juntamente a indústria de pesca no começo de 1500. John Cabot, um navegador e explorador italiano, é creditado por ter descoberto oficialmente a ilha de Terra Nova no ano de 1497. Seguindo Cabot, os próximos visitantes europeus que Terra Nova recebeu eram pescadores portugueses, fanceses, ingleses e espanhóis.

    Não existiam cachorros na ilha de Terra Nova antes da chegada dos europeus, e o St. John’s Water Dog originou-se de uma mistura de raças levadas à ilha por pescadores e exploradores.

    Assim como o Labrador Retriever moderno, o Saint John Water Dog era descrito como inteligente, sempre querendo agradar e muito capaz de executar tarefas. Durante a época do boom da pesca, existiam muitos cães usados para recuperar peixes em Terra Nova, e se tornou um costume dos pescadores de levar o St. John’s Water Dog junto deles em seus navios. A tecnologia do comércio de peixes ainda estava em sua infância. Ganchos não eram nem de perto bem feitos como são hoje e era bem possível para um peixe grande escapar. A solução para o problema foi trazer um cachorro ao deque para pegar o peixe.

      Pelo início de 1800 existia uma alta demanda por cachorros esportistas de qualidade na Inglaterra. Também conhecido na época como o Lesser da Terra Nova, as habilidades do St. John’s Water Dog fez com que a Inglaterra abrisse seus braços para a importação. Já em terras inglesas a raça fez muito sucesso, e programas de criação foram instaurados na Inglaterra para desenvolver a raça ainda mais, vários canis foram abertos para criação e aprimoramento da raça, o que levou com o tempo a criação do Labrador Retriever moderno.

    Na Inglaterra, eles conquistaram o sucesso e popularidade que os caracteriza até hoje. No início, cães de outras cores senão preta eram sacrificados, mas a partir de 1900 os criados passarem a aceitar o caramelo e o marrom. A raça foi reconhecida pela EKC em 1903 e pela AKC em 1917. Nos anos 20 e 30, foram importados para os Estados Unidos da América e hoje circulam entre os cães preferidos de todo o mundo, sendo muito queridos por seu espírito brincalhão, dócil, companheiro e cheio de energia.

Características

É ágil e com faro apurado. Muito utilizado como cão-guia para cegos e em operações de resgate, busca e salvamento. É gentil, fiel, obediente e gosta de agradar ao dono. Companheiro indicado para famílias ativas, pois possui muita energia, precisa se exercitar constantemente e estar em contato com pessoas. Não apresenta traços de agressividade e é amigável, paciente e carinhoso. Brincalhão, não dispensa um mergulho na água. Inteligente, mas deve ser treinado desde filhote para aprender a obedecer a ordens.

  • Raça mais popular da América, segundo a AKC;
  • Musculoso e atlético;
  • Narinas bem desenvolvidas;
  • Olhos cor de avelã de tamanho médio;
  • Pescoço forte, em conjunto com os ombros bem colocados;
  • Cauda grossa na base e afinando em direção a ponta, com pelagem grossa e densa e aparência arredondada;
  • Pelagem curta e densa;
  • Cor dos pelos totalmente preto, caramelo ou marrom;
  • 7º lugar no ranking de inteligência canina;
  • Comportamento dócil, amigável, carinhoso e brincalhão;
  • Nível abundante de energia. 

Cuidados básicos

Recomendada escovação semanal, mas banhos devem ser evitados para não retirar a oleosidade do pelo que o mantém resistente à água. A raça pode desenvolver otite, o que requer acompanhamento veterinário. Tem tendência a sobrepeso.

Essa raça extremamente amorosa vai cativar seu coração, mas é preciso ensinar os limites e regras da casa desde que são filhotes. Caso contrário, prepare-se para encontrar muita bagunça pela casa, pois o Labrador pode ser terrível se entediado. Isso inclui morder sapatos, cavar o jardim e perseguir o cão pela casa tentando lhe arrancar algo da boca.

Os Retrievers são cães mastigadores e precisam ter algo na boca constantemente. Invista em brinquedos resistentes e deixe-os sempre à disposição dele, para evitar surpresas desagradáveis.

É preciso muita paciência, persistência e firmeza para ensinar essa raça, pois são eternas crianças. Mesmo após adultos podem apresentar comportamento imaturo. E nem pense em gritar ou se estressar, pois são muito sensíveis e se magoam com agressividade.

Caminhadas diárias entre 30 minutos e uma hora ajudam a reduzir os níveis de energia e evitar que fiquem entediados. Propor jogos de busca, corridas e treinamentos é uma excelente forma de se divertir com seu cão. Eles também gostam muito de água, então passeios em torno de um lago e brincadeiras com a mangueira ou piscina os farão muito felizes.

Lembre-se de escová-lo duas vezes na semana para retirar os pelos mortos. A alimentação também deve ser controlada, pois eles possuem tendência a engordar. E nada de deixá-lo para fora de casa – esse é um cão para viver do lado de dentro. 

Alimentação

A quantidade de ração varia de acordo com o peso e o tamanho do animal e pode ser encontrada nas embalagens.
Deve-se alimentar o cão de duas a três vezes por dia e manter água à vontade, sempre fresca.
A qualidade da ração é fundamental para a saúde do animal. As do tipo Premium e Super Premium são as nutricionalmente balanceadas.
Até os doze meses, o Retriever do Labrador é considerado filhote. Nesta fase, a quantidade de ração varia de 90 a 290 gramas por dia. O alimento indicado são rações específicas para filhotes.
A partir de um ano o cão é considerado adulto. Deve-se mudar a ração e a quantidade varia de 235 a 295 gramas/dia.

Espaço para criação

Pode ser criado em apartamento, desde que seja muito exercitado diariamente, pois é uma raça extremamente ativa.

Custo de manutenção

Em relação aos Labradores, é bom ficar atento aos seguintes problemas de saúde:  

  • Displasia de quadril: condição na qual o fêmur não se encaixa perfeitamente na articulação do quadril, provocando dor, desconforto e claudicação nas pernas traseiras. Pode se agravar com a idade avançada;
  • Displasia de cotovelo: comum em cães grandes, essa condição é causada por diferentes taxas de crescimento dos três ossos que compõem o cotovelo do cão, debilitando a articulação e levando à dor e claudicação. Outra condição que pode atingir os cotovelos dos cães é a osteocondrose dissecante (OCD), na qual ocorre crescimento impróprio de cartilagem nas articulações.
  • Displasia da válvula tricúspide: cardiopatia congênita que vem aumentando entre os Labradores, ocorre pela má formação da válvula tricúspide no lado direito do coração. Pode ser leve ou grave; se leve, o cão vive bem sem sintomas; se grave, pode levar à morte;
  • Miopatia: afeta músculos e sistema nervoso, fazendo com que o cão fique cansado, duro durante os movimentos e possa até entrar em colapso após exercícios. Com o tempo, os músculos atrofiam e ele mal consegue parar em pé.

Outros problemas são: catarata, epilepsia, atrofia progressiva da retina, torção gástrica (que acomete principalmente cães de grande porte e peito largo, como o Labrador) e dermatite piotraumática. 

Curiosidades

É uma das raças mais populares nos EUA, segundo estatísticas do American Kennel Club (AKC Registration Statistics). 

Por que ter um Labrador?

Provavelmente o Labrador é o primeiro cão que lhe vem à cabeça quando pensa em um pet amigável, carinhoso e brincalhão. Essa é uma das melhores raças para crianças , devido à sua paciência, doçura e energia, que pode fazer com que brinquem por horas a fio com os pequenos.

Apesar de não mais desempenhar sua função original – auxiliar de pescador -, ele continua trabalhando, agora em funções mais nobres: são cães de terapia , dedicados a visitar lares de idosos e hospitais infantis e servir como cão-guia para pessoas com deficiência visual, pois são altamente inteligentes. Se destacam também como cães de busca, salvamento e detecção de drogas e explosivos, pois são fortes, atléticos e corajosos. Suas características ancestrais ainda os fazem amar água, especialmente em dias quentes.

Muito leais, são sempre vistos ao lado de seus tutores. Adoram aprender e podem receber treinamentos de obediência, pois gostam de agradar. O Labrador não apresenta qualquer traço de agressividade ou timidez excessiva, sendo o pet ideal para quem aprecia uma boa companhia canina.

Por que não ter um Labrador?

Se a ideia é ter um cão de guarda, esqueça essa raça. Labradores são tão carinhosos e amigáveis que não estranham ninguém, sendo capazes, inclusive, de conduzir as pessoas para conhecer sua casa. Sua agitação pode fazer com que latam muito e incomodem vizinhos e tutores, além de poderem assustar as pessoas com sua empolgação excessiva e vontade de brincar.

O Labrador também tem muita energia, e apesar de adorar ficar no sofá ao lado dos seus tutores, ele também adora brincar e precisa de exercícios físicos. Caso contrário, ficará entediado e provavelmente destruirá o que vê pela frente.

Todo o amor que o Labrador tem para dar pode fazer com que ele se aproxime com muita animação e acabe machucando totalmente sem querer, portanto, é importante que o treinamento e socialização sejam feitos desde cedo e o contato entre um Labrador e uma criança ou qualquer pessoa mais frágil seja supervisionado para evitar acidentes.

Conheça outras raças de cães