Guia de Bichos
Komondor - undefined

Komondor

  • Nome no Brasil: Komondor
  • Nome original: Komondor
  • País de origem: Hungria
  • Preço médio: entre R$ 2 mil e R$ 3.500 mil
  • Tipo de pelo: Alto

Tudo sobre Komondor

Porte: grande
Área de criação: média
Energia: baixa
Temperamento: bravo

Descrição

  • Grupo: 1 – Cães Pastores e Boiadeiros (exceto Boiadeiros Suíços)
  • Porte: 1 – Cães Pastores
  • Machos: até 70 centímetros/entre 50 e 60 quilos
  • Fêmeas: até 65 centímetros/entre 40 e 50 quilos
  • Tipo de pelo: pelos longos por todo o corpo. O pelo de cobertura é longo, áspero e muito cerrado, e o subpelo é fino e denso. Há também pelos flocosos e feltrados, além de ondulados e torcidos. 
  • Temperamento: digno, corajoso, leal, dominante, atento e calmo 
  • Expectativa de vida: 10 a 12 anos
Escala de 1 a 5
  • Para tutores de primeira viagem: 1
  • Energia: 2
  • Inteligência: 4
  • Facilidade de adestramento: 3
  • Como cão de guarda: 2
  • Adapta-se ao calor: 3
  • Adapta-se ao frio: 4
  • Adapta-se bem à vida em apartamento: 2
  • Necessidade de atividades físicas: 4
  • Fica bem sozinho: 1
  • Relacionamento com a família: 5
  • Relacionamento com crianças: 3
  • Relacionamento com estranhos: 1
  • Tendência a latir: 5
  • Tendência à obesidade: 3
Cão de grande porte. É forte e robusto. Possui dupla pelagem, na camada interna os pelos são mais finos. A camada externa conta com pelos felpudos, longos, densos e com aspecto de corda trançada. Em algumas áreas, como a perna, o comprimento do pelo pode chegar a 27 cm. É encontrado na cor marfim. Os olhos são marrom escuro. 

A raça de pelos densos e longos, semelhantes aos dreads, provavelmente descende dos cães de guarda que chegaram à Hungria junto das tribos magiares e mongóis, nas invasões dos séculos IX e XII. O Komondor também pode ser descendente do Owtcharka, um cão pastor russo. 

Na Hungria, o Komondor era usado para proteger os rebanhos de gados, e levava vantagem no fato de ser semelhante às ovelhas, devido à pelagem densa que se misturava à lã branca e crespa. Assim, eles conseguiam se misturar sem serem vistos pelos predadores.

A AKC reconheceu a raça em 1937, mas por muitos anos ela permaneceu rara e desconhecida. Parte do motivo é atribuído à Segunda Guerra Mundial, que deixou o Komondor à beira da extinção, e à Guerra Fria, que impôs termos às importações da Hungria e diminuiu o número de cães da raça nos EUA. 

Por sorte, em 1962, criadores dos dois países se uniram e conseguiram que o Komondor, gradualmente, se recuperasse. Hoje ele ainda é usado como cão de rebanho, mas principalmente como cão de companhia.

Características

É muito corajoso e defensor de seu território. Ataca quando percebe estranhos ou invasão ao seu espaço. Gosta de ficar deitado durante o dia e é ativo à noite, portanto é um bom cão de vigia. É silencioso e raramente late. Não indicado para famílias ou donos de primeira viagem, pois é uma raça independente, que geralmente não aguarda ordens para agir.

  • Corpo robusto e poderosamente construído, coberto por pelos longos e densos
  • Corpo em formato retangular
  • Cabeça ampla, em boa proporção com o corpo, com crânio abobadado e sobrancelhas bem desenvolvidas
  • Focinho não apontado, com a ponte do nariz reta; nariz preto
  • Maxilares fortes e poderosos; mordedura completa de tesoura
  • Olhos colocados horizontalmente castanhos escuros
  • Orelhas pendentes e compridas, em formato de U ou V
  • Pescoço muito musculoso, um pouco mais curto do que o comprimento médio
  • Parte superior larga e musculosa; lombo de comprimento médio
  • Patas da frente grandes, fortes e com almofadas cinzas e grossas; patas traseiras mais longas que as da frente.
  • Cauda carregada pendurada, com a ponta inclinada para cima
  • Pelagem muito longa e cor de marfim

A pelagem do Komondor é a mais pesada do mundo canino, podendo chegar a impressionantes 6kg. Os dreads se desenvolvem naturalmente. 

Cuidados básicos

Em média, a partir dos seis meses de vida o pelo começa a crescer e se desenvolve rapidamente, então é necessário que seja cortado pelo menos a cada três meses para que não arraste no chão. Uma vez ao mês é preciso separar as cordas do pelo e escová-lo para remoção da sujeira.

O treinamento do Komondor deve começar ainda cedo, pois essa é uma raça independente e inteligente quando adulta. Enquanto filhote, ele é fácil de treinar, mas quando adulto pode ser frustrante, pois é muito teimoso e só vai obedecer aos comandos que acha que vale a pena obedecer. 

O Komondor se aborrece facilmente, principalmente com treinos repetitivos. A melhor forma de conquista-lo é não usa a força e nem a repetição, mas sim oferecer sessões diferentes e divertidas. Não é uma raça adequada para tutores tímidos e com dificuldade para liderar. 

Ele deve ser exposto desde cedo a muitas pessoas, crianças, animais e situações diferentes, pois pode ser agressivo caso se sinta ameaçado. Uma vez que ele aceite uma visita e se acostume com ela, você não terá problemas da próxima vez.  

Suas necessidades de exercício são moderadas e ele é o tipo de cão que curte ficar no sofá. Ainda assim, caminhadas curtas diárias e brincadeiras no quintal fazem bem ao pet. Eles até podem viver em apartamentos, desde que tenham espaço para se esticar e praticar suas atividades. Lhe dê um trabalho para que ele possa exercitar a mente e ele ficará satisfeito. 

Os dreads devem ser separados regularmente para evitar nós e remover sujeiras. O Komondor raramente solta pelo.

Alimentação

A quantidade de ração varia de acordo com o peso e o tamanho do animal, e pode ser encontrada nas embalagens.

Deve-se alimentar o cão de duas a três vezes por dia e manter água à vontade, sempre fresca, na vasilha.

Cães de grande porte consomem rações large breed.

Até os doze meses, o Komondor é considerado filhote. Nesta fase, a quantidade de ração varia de 90 a 425 gramas por dia. O alimento indicado são rações específicas para filhotes.

A partir de um ano deve-se mudar a ração e a quantidade varia de 325 a 425 gramas/dia.

A qualidade da ração e fundamental para a saúde do animal. As do tipo Premium e Super Premium são as nutricionalmente balanceadas.

Espaço para criação

Originalmente é um cão de pastoreio e manteve essa característica, portanto precisa viver ao ar livre. Seu tamanho gigante exige espaço compatível para que possa se exercitar.

Saúde

O Komondor é uma raça forte, cujos principais cuidados devem ser dedicados à sua pelagem exclusiva para evitar infecções de pele, dermatites caninas e até mofo por umidade.

Quando der banho no seu pet, certifique-se que poderá tirar um dia todo para se dedicar à sua secagem. Separar os pelos, também chamados de dreads, para evitar nós – e, consequentemente, feridas – e contar com o auxílio de secadores e ventiladores é recomendado. Aparar o pelo ao redor da boca e do ânus, para evitar acumulo de sujeira, é o ideal. 

Entre as doenças que podem acometer a raça estão problemas comuns a outros cães, como displasia de quadril e coxofemoral, torção gástrica e entrópio. 

Curiosidades

Se você conhece as histórias da Turma da Mônica provavelmente se identificou com esse cão. Sim! O Komondor é frequentemente associado ao Floquinho, cachorro verde e cheio de franjas do Cebolinha, o qual nunca sabemos onde fica a cabeça e onde fica o rabo. As semelhanças aumentaram depois de uma declaração de Maurício de Souza, criador do personagem, ao UOL em 2016, durante a CCXP (Comic Com Experience).

“Na vida real, quando criei o Floquinho, não sabia que tinha uma raça parecida. Eu trabalhava num quarto dos fundos e queria criar um cachorrinho. Eu vi um esfregão cheio de pelos e me inspirei nele”, afirmou. Coincidentemente, um dos apelidos do Komondor é Esfregão. 

Por que ter um Komondor?

O Komondor, por si só, já é uma raça bastante peculiar e que chama a atenção de quem gosta de cães exóticos. Sua personalidade, contudo, também vai conquistar o coração de quem gosta de pets fortes e leais. 

Essa raça é inteligente, independente, fiel à sua família e muito protetora. É o tipo de cão que fica feliz em passar seus dias como um bom companheiro, amigo e guardião, deitado junto aos pés dos seus tutores. Adora proteger e cuidar da família. 

Devido à sua origem, o Komondor é um excelente cão de guarda, disposto a ladrar e até morder qualquer um que invada seu território e se mostre uma ameaça. São muito inteligentes, enfrentam qualquer desafio para defender a casa e a família.

Por que não ter um Komondor?

O Komondor pode ser agressivo com outros cães, principalmente aqueles que ele não conhece, e não é uma raça recomendada para casas com outros cachorros. Essa é uma raça muito territorialista, que mesmo com socialização precoce pode atacar outros cães; no entanto, ele pode viver tranquilamente com gatos e gado. 

É uma raça de personalidade forte, que pode ser agressivo com estranhos e lhe causar problemas. Aliado ao seu tamanho grande e teimosia, pode ser difícil para um tutor tímido ou de primeira viagem criá-lo.

O pelo exige alguns cuidados específicos para evitar parasitas, fungos e sujeira. Se ficar úmido, pode mofar e exalar um cheiro desagradável, além de causar graves problemas de pele ao cachorro. Ele pode latir muito e precisa de companhia constante, caso contrário poderá apresentar comportamento desagradável.

Conheça outras raças de cães