Guia de Bichos
Fila Brasileiro - undefined

Fila Brasileiro

  • Nome no Brasil: Fila Brasileiro
  • Nome original: Fila Brasileiro
  • País de origem: Brasil
  • Preço médio: R$ 1.200 a R$ 3.000
  • Tipo de pelo: Curto

Tudo sobre Fila Brasileiro

Porte: grande
Área de criação: grande
Energia: alta
Temperamento: amigável

Descrição

  • G rupo: 2 - Cães de Guarda e Utilidades
  • Porte: grande/gigante
  • Função original: Cão de guarda e boiadeiro
  • Tamanho do macho: 65 a 75 cm
  • Tamanho da fêmea: 60 a 70 cm
  • Peso do macho: mínimo 50 Kg
  • Peso da fêmea: mínimo 40 Kg
  • Tipo de pelo: curto, suave e liso
  • Temperamento: corajoso, obediente e amigável
  • Expectativa de vida: 9 a 11 anos

Escala de 1 a 5
  • Para tutores de primeira viagem: 1
  • Energia: 3
  • Inteligência: 4
  • Facilidade de adestramento: 4
  • Como cão de guarda: 5
  • Adapta-se ao calor: 4
  • Adapta-se ao frio: 4
  • Adapta-se bem à vida em apartamento: 1
  • Necessidade de atividades físicas: 4
  • Fica bem sozinho: 2
  • Relacionamento com a família: 4
  • Relacionamento com crianças: 3
  • Relacionamento com estranhos: 1
  • Relacionamento com outros cães: 3
  • Tendência a latir: 2
  • Tendência à obesidade: 3

Cão de grande porte com estrutura retangular, ossos fortes e musculatura aparente. Possui uma pela grossa e solta, principalmente na região do pescoço e da face. Sua pelagem é curta, lisa e macia. As cores aceitas para essa raça são as sólidas (exceto cinza, preto, branco, chumbo, canela, malhado e manchado) todas as cores sólidas, tigradas, com rajas fracas ou intensas, com ou sem máscara preta na face. Manchas brancas são permitidas somente nas patas, peito e ponta da cauda.

O Fila Brasileiro é um cão originário do Brasil, como o próprio nome indica, e sua história começa em meados do século XIX. Seu nascimento está ligado à colonização do país, pois a raça protegia a comitiva dos bandeirantes dos ataques de nativos e das onças, era usado no manejo do rebanho, cão de guarda e também ajudava na captura de escravos fugitivos. Esse cão teve vários nomes, como cão de fila, cão onceiro, cabeçudo boiadeiro, entre outros. Além disso, foi a primeira raça brasileira a ser reconhecida internacionalmente pela FCI a partir de 1968.

Como o Fila Brasileiro surgiu é incerto, mas existem teorias sobre. A primeira, feita pelo Dr. Paulo Santos Cruz, acredita que o Fila Brasileiro é resultado do cruzamento do Mastiff Inglês, Bloodhound e Old Bulldogue Inglês, trazidos pelos europeus que se fixaram na região do triângulo mineiro para desenvolver atividades ligadas à mineração e criação de gado. Do Mastiff teria herdado a forma do crânio, a garupa e o dorso; do Bloodhound a pele solta, olhar triste e o faro aguçado; e do Buldogue o temperamento violento e a teimosia.

A outra teoria é de Francisco Peltier de Queiroz e segundo ele o surgimento do Fila Brasileiro veio da união de cães indígenas (Aracambé) + selvagens (Guará) + cães de rua + cães imigrantes (Mastim Inglês, Bloodhound, Buldog Inglês). Através dessa mistura surgiu o Fila Brasileiro.

Procópio do Valle possui outra teoria e acredita que o Fila recebeu a influência do extinto cão Engelsen Doggen, ou mais exatamente do Dogue de Fort Race, oriundo do Inglaterra e levado para Pernambuco em 1631 pelos holandeses, a fim de serem usados em incursões contra os bugres e soldados fugitivos.

Por fim, segundo João Batista Gomes, o Fila Brasileiro originou do Fila Terceirense (da Ilha Terceira, Arquipélago dos Açores), sendo importado para o Brasil pelos portugueses e foi cruzado com o Mastim Inglês proveniente da chegada de D.João VI.

O Fila Brasileiro é um cão que trabalha nas fazendas, fazendo a guarda, tocaiando onças, cercando bois, sendo fiel aos donos tanto na guarda das residências metropolitanas, como na companhia. Porém, a raça possui dificuldade de obter a uniformidade do plantel, já que possui um passado de poucas gerações para fixar adequadamente o tipo.

Em 1946, alguns criadores paulistas mostraram o cão de fila aos aficionados de cinofilia, para criarem um padrão para a raça e conseguirem sua aceitação como raça pelo antigo Brasil Kennel Clube. Trinta anos depois, um segundo padrão foi estabelecido e aprovado no 1º Simpósio da Raça Fila Brasileiro, realizado em Brasília. Mas, somente em 1983, os principais criadores de Fila Brasileiro se reuniram para estipular metas para aprimorar a raça. Foi deste encontro enfim que em 1984 se redigiu a 3ª versão do padrão oficial que vigora até hoje. 

A raça ainda não é reconhecida pelo American Kennel Club ou o United Kennel Club, mas no Brasil ela é muito popular. Até hoje continua entre as 10 mais registradas no país .

Características

  • De natureza leal e protetora, essa raça é um cão de guarda exemplar
  • Seu apego à família é muito intenso o que o leva a uma proteção constante do dono e do território
  • Muito amável com crianças e se socializado desde filhote aceitará bem pessoas estranhas, mas familiares a ele
  • Reage com desconfiança a estranhos e com agressividade a invasores
  • Essa raça precisa de liderança e limites
  • Não é recomendada para donos iniciantes, pois seu temperamento requer controle que vem da autoridade do dono
  • Sua postura é calma, mas alerta
  • Não late com frequência e não se assusta com qualquer barulho
  • Pode babar e costuma roncar muito
  • É dono de um faro muito apurado sendo utilizado também para farejar drogas
  • É fácil de ser adestrado
  • É proverbial sua fidelidade, procurando com insistência a companhia dos donos.
  • É possessivo e territorialista
  • São cães muito apegados aos tutores, então, deixá-los sozinhos por longos períodos pode resultar na destruição do seu jardim e até de seus móveis
  • Por causa de sua alta tendência à caça, ele deve ser impedido de perseguir e matar gatos ou cães de pequeno porte
  • Cão é grande, poderoso, inteligente, ativo, e obstinado
  • Ótimo cão de guarda
  • Aprendem facilmente o treinamento
  • Caracteriza-se pela aversão a estranhos. De comportamento sereno, revelando segurança e confiança própria, absorve perfeitamente ambientes e ruídos estranhos
  • Corpo robusto, forte e grande, um típico moloso
  • A cabeça é grande e maciça, com stop pronunciado
  • O focinho é poderoso, ligeiramente mais curto que o crânio
  • A trufa é larga e preta
  • Os olhos são de tamanho médio a grande, de formato ligeiramente amendoados; dão um ar melancólico ao cão
  • As orelhas são em formato de "V" caídas, às vezes levantadas quando o cão está alerta
  • O pescoço é forte e provido de barbela
  • O corpo é suficientemente comprido
  • O peito é largo e bem abaixado
  • A garupa é um tanto mais alta que a cernelha
  • Os membros são bastante compridos, mas fortes
  • A cauda passa do ponto do jarrete
  • A pele é grossa, flácida e elástica, sobretudo no tronco e no pescoço
  • A pelagem é curta, suave e lisa
  • Pode vir de todas as cores exceto o branco uniforme

Cuidados básicos

Não há uma frequência obrigatória de banhos. O pelo é de fácil manutenção, mas é recomendado escovações semanais para manter a pelagem limpa. Tosa não é necessária. Precisam de passeios diários e atividade física para liberar energia. Problemas de displasia são comuns em raças grandes, por isso recomenda-se o acompanhamento veterinário.

Além desses cuidados, verifique regularmente o restante do corpo do animal, como pele, boca, orelha, focinho, olhos e patas. Esses exames frequentes ajudam a identificar logo cedo problemas potencialmente mais sérios.


Alimentação

A quantidade de ração varia de acordo com o peso e o tamanho do animal, e pode ser encontrada nas embalagens.
Deve-se alimentar o cão de duas a três vezes por dia e manter água à vontade, Cães de grande porte consomem rações large breed.
A qualidade da ração é fundamental para a saúde do animal. As do tipo Premium e Super Premium são as nutricionalmente balanceadas.
Até os doze meses, o Fila Brasileiro é considerado filhote. Nesta fase, a quantidade de ração varia de 90 a 465 gramas por dia. O alimento indicado são rações específicas para filhotes.
A partir de um ano o cão é considerado adulto. Deve-se mudar a ração e a quantidade varia de 230 a 400 gramas/dia.

Espaço para criação

Não é uma raça recomendada para casas e espaços pequenos. Ele precisa de área para se exercitar, de preferência grandes áreas verdes.

Saúde

​Apesar de ser uma raça rústica, o  Fila Brasileiro pode apresentar vários problemas de saúde por causa do seu tamanho e, c omo boa parte das raças grandes, o Fila apresenta alguns problemas bem característicos, entre eles: torção gástrica, displasia coxofemoral, gastroenterite, obesidade e complicações no parto. 

Curiosidades

​Por que ter um Fila Brasileiro?
Esse enorme cão sabe ser um grande companheiro para uma família. Possui uma natureza leal e protetora com sua matilha, no caso seus familiares, por isso é um cão de guarda exemplar. Se for bem adestrado e socializado desde filhote, pode conviver com qualquer criança e aceitará pessoas estranhas, mas familiares a ele. Tem um intenso apego a família, o que o leva a uma constante proteção do dono e do seu território. Para quem busca um cão para trabalhar, ele é ótimo, pois com seu faro apurado pode ser utilizado em diversas situações, como farejar drogas. Apesar da fama de agressivo e feroz, ele sabe ser um cão calmo e amigável, mas tudo faz parte do treinamento e da socialização. É facilmente adestrável e responde muito bem ao treinamento. Os cuidados com a raça são bem simples. Não late com frequência e não se assusta com qualquer barulho.

​Por que não ter um Fila Brasileiro?
É preciso pensar muito bem antes de obter um Fila Brasileiro em casa. Ele não é recomendado para donos iniciantes, pois é um cão grande e de temperamento intenso. Seu tutor tem que ser firme, autoritário e controlado. A raça precisa de liderança e limites desde filhote. O Fila não é nada amigável com desconhecidos e nem com pessoas que vê com pouca frequência, e pode agir com agressividade com invasores. Então é preciso ter cuidado na hora de levar visitas a sua casa tendo uma raça dessas. Esse cão é muito apegado ao dono, por isso, deixá-lo sozinho por longos períodos pode resultar na destruição do ambiente que ele estiver. Se houver outros animais na caça, é preciso ter cuidado ao escolher um Fila Brasileiro. Por causa de sua alta tendência à caça, ele deve ser impedido de perseguir e matar gatos ou cães de pequeno porte. Não é uma raça recomendada para casas e espaços pequenos. Ele precisa de área para se exercitar, de preferência grandes áreas verdes. Pode babar e costuma roncar muito.
Conheça outras raças de cães