Guia de Bichos
Beagle - undefined

Beagle

  • Nome no Brasil: Beagle
  • Nome original: Beagle
  • País de origem: Grã-Bretanha
  • Tipo de pelo: Curto

Tudo sobre Beagle

Porte: pequeno
Área de criação: média
Energia: alta
Temperamento: dócil

Descrição

Cão de pequeno a médio porte, compacto, mais comprido do que alto. Possui pelo curto, bem resistente, curto, denso e reto. Pode ser encontrado tricolor de branco, preto e castanho e também em branco com as cores castanho, avermelhado, acinzentado e marrom. Os olhos têm uma expressão de súplica. As orelhas são longas e caídas ao lado da cabeça, são grandes e arredondadas.

O focinho é largo, com formato quadrado, alongado. Os olhos são redondos, médios e expressivos. O tronco é musculoso e conta com pernas finas, de comprimento médio e patas ovais, dedos mais separados. A cauda é robusta, alta, de espessura média e comprida. O pelo é do mesmo tipo pelo corpo todo. 


  • Grupo: 6 – Farejadores e raças relacionadas
  • Porte: 1 – Cães de pequeno porte
  • Machos: altura: 33 a 40 centímetros, peso: 8 a 13 Kg
  • Fêmeas: altura: 33 a 40 centímetros, peso: 8 a 13 Kg
  • Função original: cão de caça
  • Temperamento: alegre, companheiro, determinado e teimoso
  • Tipo de pelo: curto, denso, reto e resistente
  • Alimentação: 1/2 a 3/4 de xícara de ração seca de alta qualidade, dividida em duas refeições diárias
  • Expectativa de vida: 10 a 15 anos
Escala de 1 a 5

  • Para tutores de primeira viagem:  2
  • Energia:  5
  • Inteligência: 3
  • Facilidade de adestramento:  1
  • Como cão de guarda:  4
  • Adapta-se ao calor:  4
  • Adapta-se ao frio:  2
  • Adapta-se bem à vida em apartamento:  3
  • Necessidade de atividades físicas:  4
  • Fica bem sozinho:  1
  • Relacionamento com a família:  5
  • Relacionamento com crianças:  5
  • Relacionamento com estranhos:  5
  • Tendência a latir:  5
  • Tendência à obesidade:  5

A história dessa raça é bastante incerta, assim como a origem da palavra, que pode ser vir da palavra inglesa antiga “beag” – que significa pequeno.  

Alguns documentos gregos antigos descrevem cães do tipo Beagle de 400 a.C., e ao que tudo indica, os romanos trouxeram para a Inglaterra cães que caçavam coelhos, que foram criados e cruzados com cães de raças locais. Os cães de Talbot, já extintos, são pensados como antepassados do Beagle e Foxhound, trazidos por William, o Conquistador durante a Conquista da Normandia em 1006. O Beagle parece ter sido fruto do cruzamento entre o Talbot e Galgos ingleses, a fim de ser mais veloz.

Já durante os reinados de Eduardo II (1307-1327) e Henrique VII (1485-1509), os Luva Beagles, cães pequenos o suficiente para caberem em uma mão faziam sucesso e eram populares, sendo retratados em pinturas até de Elizabeth I (1533-1603). Esta, inclusive, tinha um cão chamado Pocket Beagle, uma versão menor da raça, de 21 a 23 cm de comprimento.

Como cães de caça, os Beagles perdiam para o Foxhound, pois não eram tão rápidos. O ponto de virada dos Beagles aconteceu apenas em meados de 1800, quando a raça começou a ser criada como farejadora para caçar lebres e coelhos. Ao mesmo tempo, criadores americanos começaram a importar Beagles da Inglaterra para melhorar a aparência de cães locais.

Philippe Honeywood estabeleceu sua matilha de beagles em Essex, em 1830. A partir disso começou a ser desenvolvido o Beagle atual, do jeito que conhecemos. Suspeita-se que os Harrier tenham ajudado na composição da raça, bem como os n orth country beagles e s outh hounds . Nessa época, os Beagles eram puramente brancos, segundo alguns registros e mediam 25 cm na altura do ombro. O Lord Winterson e o príncipe Alberto também criaram outras matilhas, mas a de Honeywood foi considerada melhor.

Thomas Johnson foi o maior responsável por tornar os cães de caça desenvolvidos ainda mais capazes e velozes. Criou exemplares de dois tipos: de pelo áspero e de pelo liso. O de pelagem dura sobreviveu até o começo do século XX. A última vez que se viu um exemplar desse tipo em uma apresentação foi em 1969. 

Em 1856, Stonehenge classificou os Beagles existentes entre quatro variedades: o anão, o médio, o terrier e a raposa - uma versão menor e mais lenta do Foxhound. Em 1887 acabaram as ameaças de extinção: já eram 18 matilhas de Beagle só na Inglaterra. Em 1890 foi padronizada a raça e ganhou um clube próprio. A  Associação de Mestres de Harriers e Beagles formou-se em 1891 com a intenção de proteger e garantir esses dois cães.

A raça foi reconhecida pela AKC em 1885. Os primeiros Beagles foram levados aos EUA em 1840, mas a raça se popularizou no século XX. Sempre foi muito mais presente nesse país e no Canadá do que na região de origem. Na América do Norte a raça está entre as dez mais populares há 30 anos. Entre as 155 raças registradas, o Beagle se encontra em 5o lugar. 

Características

É alegre, amigável e de temperamento equilibrado, o que o torna um ótimo cão de companhia para a família. É corajoso, alerta, inteligente e determinado. Tem um bom faro. Convive bem com outros cães, mas não deve ser deixado a sós com animais de menor porte.

É uma raça um pouco teimosa e desobediente. É bastante difícil de treinar, até para os adestradores mais experientes. É determinado e obstinado a conseguir seus objetivos. Distrai-se facilmente durante o treinamento e não decora as regras com muita facilidade. 

Pode ser bastante destrutivo, principalmente na fase da infância. É um cachorro que demora para amadurecer e nos primeiros dois anos tende a mastigar coisas da casa e destruir o que vê pela frente. Muitos donos de Beagle reclamam desse fato e há inúmeros relatos sobre essa fase bagunceira. 

Está sempre atento ao que ocorre à sua volta e o faro e a audição excelentes o tornam ainda mais esperto. A qualquer sinal estranho esse cão pode latir e sua voz é alta, notável e tende a incomodar as pessoas. Viver em apartamentos e condomínios com muitos vizinhos pode ser desafiador quando se tem um Beagle em casa. Ao ficar sozinho por muitas horas fica ainda mais barulhento e além de latir, tende a choramingar e causar um estrago no ambiente em que está. Sofre com ansiedade de separação e não deve ser deixado só por horas.

Apesar de ser alerta não é o melhor cão de guarda, já que pode se dar bem com estranhos. Não são tímidos, muito menos agressivos. É o tipo de cachorro que apresenta comportamento bagunceiro, mas continua sendo amável, companheiro e afetuoso com sua família. Com crianças é uma ótima raça e costuma ser dócil e companheiro. Justamente por isso o Beagle começou a se popularizar.

Embora seja inteligente, está classificado na posição 72 no livro "A inteligência dos cães", o que é considerado um grau baixo para obedecer e trabalhar. Por outro lado, essa escala não avalia critérios como criatividade, capacidade de entendimento e independência.

Precisam praticar atividades físicas para evitar a obesidade e são resistentes pra caminharem e exercitarem-se por horas durante um dia. 

  • Cerca de 220 milhões de receptores no olfato;
  • Tricolor, nas cores marrom-bronzeado, branco e preto, ou bicolor;
  • Cabeça larga e com nariz preto;
  • Olhos cor de avelã simpáticos;
  • Orelhas compridas, com ponta arredondada e que chegam até o fim do nariz;
  • Pescoço longo;
  • Cauda robusta, alta e longa;
  • Amável, carinhoso e travesso;
  • Teimoso e desobediente.

Cuidados básicos

O pelo curto precisa ser escovado uma vez por semana. As unhas devem ser aparadas regularmente. Os ouvidos devem ser mantidos limpos e as unhas cortadas. Devido ao seu instinto de caçador e ao faro aguçado, que costuma seguir, é indicado que seja mantido em local cercado o preso à coleira quando fora de casa.

Arme-se de paciência se quiser ter um Beagle, pois discipliná-lo não é uma tarefa fácil – alguns treinadores o consideram, inclusive, indisciplinável.  É preciso reforçar as regras da casa sempre e mostrar quem é que está no comando.

Por serem brincalhões, técnicas divertidas e criativas de treinamento podem funcionar melhor, como treinamentos de obediência usando comida como recompensa.

Essa raça tem forte tendência a engordar, pois são protetores com sua comida e comerão mais do que devem sempre que puderem. É preciso monitorar para evitar a obesidade canina, principal problema de saúde que atinge a raça, e seguir as recomendações corretas de alimentação.

Se tiver crianças em casa, ensine-as a não dar comida a mais para o pet e também a não provocá-lo enquanto se alimenta. Ele pode ficar bravo por achar que deve proteger seu alimento.

Vale lembrar que o Beagle é comumente usado em testes de laboratórios. Por conta disso, existem relatos de roubo de cães da raça para serem vendidos como cobaias. Sabendo que esse pet costuma fugir, monitore-o com frequência e, se possível, coloque um microchip de localização para evitar problemas. Ao passear na rua, mantenha-o sempre na coleira.

Alimentação

A quantidade de ração varia de acordo com o peso e o tamanho do animal e pode ser encontrada nas embalagens.
Deve-se alimentar o cão de duas a três vezes por dia e manter água à vontade. Cães de grande porte consomem rações large breed.
A qualidade da ração é fundamental para a saúde do animal. As do tipo Premium e Super Premium são as nutricionalmente balanceadas.
Até os doze meses, o Beagle é considerado filhote. Nesta fase, a quantidade de ração varia de 95 a 130 gramas por dia. O alimento indicado são rações específicas para filhotes.
A partir de um ano o cão é considerado adulto. Deve-se mudar a ração e a quantidade varia de 110 a 125 gramas/dia.

Espaço para criação

Pode viver em apartamento, mas precisa de bastante exercício. A raça aprecia estar ao ar livre.

Custo de manutenção


Saúde

Em relação à saúde, não se preocupe: essa é uma das raças mais saudáveis que existem. Os problemas mais comuns são a obesidade canina , facilmente controlada, e otite, devido ao formato da orelha. Além disso, a surdez também tende a afetar a raça, ainda mais na fase de velhice. 

Existe uma condição, chamada de Síndrome do Beagle Chinês, que ocorre quando o cão nasce com crânio largo e olhos oblíquos, podendo também apresentar problemas cardíacos e anormalidades do dedo das patas.

Outros problemas ocasionais são displasia de quadril, epilepsia, doença do disco invertebral, atrofia progressiva da retina, glaucoma e luxação da patela. 

A catarata é também presente em várias raças, inclusive no Beagle e é mais incidente na fase idosa do cão.

A ansiedade de separação é comum nesse cachorro e pode ser evitada por meio de atenção e desde que não fique horas sozinho em casa.

A raça ainda pode desenvolver artrite, que nada mais é do que uma inflamação nas articulações, devido ao sobrepeso e a falta de força nas pernas para suportar a coluna. Mas isso afeta os animais ainda quando jovens, então não é um problema a longo prazo. O veterinário pode avaliar caso a caso e indicar tratamentos com esteroides para aliviar as dores.

Curiosidades

O Snoopy é um beagle. A raça está entre as mais populares nos Estados Unidos, de acordo com registros do American Kennel Club (AKC Registration Statistics).

O presidente dos Estados Unidos, Lindon Johnson, teve dois Beagles, na Casa Branca, durante seu mandato.

Por que ter um Beagle?

Crianças, adultos e até estranhos vão se divertir muito com o Beagle. A raça é muito dócil, amável e carinhosa , sendo uma das melhores para casas com crianças de qualquer idade. Tornou-se muito popular principalmente por esse motivo. E não precisa ser casa não: eles vivem bem em apartamento, desde que seus tutores saiam para uma caminhada diária para que possam praticar exercícios físicos e gastar um pouco de toda a energia que possuem. 

A principal característica do Beagle é seu olfato, que o guia através da vida e o torna um cão muito curioso e ativo. Nos Estados Unidos, eles são usados não só para caçar coelhos e lebres, mas também para detectar drogas e contrabando.

O que lhe ajuda muito na função é a carinha simpática e o fato de se dar bem com qualquer pessoa. Mesmo quem tem medo de cães se apaixona pelo Beagle, pois ele não estranha ninguém e pede carinho para quem cruza seu caminho.

São brincalhões e levados, arrancando boas gargalhadas de seus tutores. Além da simpatia, o Beagle também é um cão saudável, que dificilmente fica doente – tanto que é comum se deparar com esses pets bastante idosos.

Com estranhos costuma ser amigável e embora fique tímido no início, logo se acostuma e passa a adorar a pessoa. 

Adapta-se a espaços pequenos sem problemas e adora brincar ao ar livre. Se tiver um espaço na casa, como quintal ou jardim, onde possa correr e brincar será mais feliz. 

Se você busca um cão amoroso, divertido, atrapalhado e bagunceiro, esse com certeza será um grande companheiro. Vai abanar o rabo sempre que te ver e dar lambidas de boas vindas!


Por que não ter um Beagle?

A vantagem do Beagle em ser brincalhão e levado também pode deixar seus tutores de cabelos em pé. A raça tem uma forte tendência destruidora, principalmente se estiver entediada, por isso espere por objetos mordidos, jardins cavados e casa revirada.

E não adianta pedir para que não façam isso: são teimosos e desobedientes. Apesar de carinhosos, são difíceis de treinar, pois costumam seguir as próprias regras, e é preciso muita paciência e disponibilidade para ensiná-los a se comportarem da maneira correta. Também costumam fugir, principalmente se sentirem um aroma que lhes agrade.

É um cachorro que demora a amadurecer e pode dar um certo trabalho a tutores de primeira viagem. É mais indicado para quem tem paciência e tempo para treiná-lo. 

Não servem como cão de guarda, pois lidam bem com estranhos, mas podem latir muito, tendo, inclusive, três tipos de latido diferentes, um deles lembrando um uivo. Assim, não é adequado para viver em condomínios com muitos vizinhos e exige paciência do próprio tutor.

É uma raça com tendência à obesidade e que demanda uma quantidade alta de exercícios por dia para evitar esse problema de saúde. Pode, ainda, desenvolver surdez e epilepsia, mas tudo isso pode ser evitado com uma alimentação balanceada e acompanhamento contínuo no veterinário. Além disso, as crianças devem ser controladas para não alimentarem o cachorro a todo tempo, pois ele adora receber comidinhas.




Conheça outras raças de cães