Guia de Bichos
Yorkshire Terrier - undefined

Yorkshire Terrier

  • Nome no Brasil: Yorkshire Terrier
  • Nome original: Yorkshire Terrier
  • País de origem: Grã-Bretanha
  • Preço médio: entre R$ 800 e R$ 4 mil
  • Tipo de pelo: Alto

Tudo sobre Yorkshire Terrier

Porte: pequeno
Área de criação: pequena
Energia: alta
Temperamento: dócil

Descrição

  • Grupo: 3 - Terriers
  • Porte: 4 – Toy Terriers
  • Machos/Fêmeas: entre 20 e 22 centímetros/até 3,2 quilos
  • Tipo de pelo: longo, perfeitamente reto, sedoso e brilhante
  • Temperamento: alerta, inteligente, animado, afetuoso
  • Alimentação: meia xícara a ¾ de alimento seco de alta qualidade por dia, dividida em duas porções diárias
  • Expectativa de vida: 12 a 15 anos
Escala de 1 a 5
  • Para tutores de primeira viagem: 4
  • Energia: 5
  • Inteligência: 4
  • Facilidade de adestramento: 3
  • Como cão de guarda: 2
  • Adapta-se ao calor: 2
  • Adapta-se ao frio: 2
  • Adapta-se bem à vida em apartamento: 5
  • Necessidade de atividades físicas: 4
  • Fica bem sozinho: 2
  • Relacionamento com a família: 4
  • Relacionamento com crianças: 3
  • Relacionamento com estranhos: 3
  • Tendência a latir: 3
  • Tendência à obesidade: 2

Cão de porte mini (toy). Possui pelagem longa, geralmente repartida ao meio, que cai reta, lisa e sedosa das costas até praticamente alcançar o chão. Na cauda o pelo é abundante. O pelo da cabeça é mais comprido, de cor castanho-dourado. A raça possui apenas um padrão de cor, com cinza-escuro azulado nas costas e castanho brilhante no peito. As orelhas são em forma de V, eretas e com pelos curtos.

Yorkshire é uma área da Inglaterra conhecida por produzir bons animais. Durante a Revolução Industrial, os trabalhadores escoceses iam para o condado para trabalhar nas minas de carvão, fábricas têxteis e fábricas, levando com eles cães muito maiores que o Yorkie que conhecemos hoje, mas que foram cruzados com uma variedade de Terriers. 

Em 1861, a raça foi mostrada em um show pela primeira vez, e em 1865 o “pai” do Yorkshire moderno, cujo nome era Huddersfield Bem, transformou-se em cão popular de mostras. Por ser desenvolvida em Yorkshire, a raça levou esse nome, e era frequentemente vista no colo das madames afortunadas, que se afeiçoaram pelo cãozinho. 

Os Yorkies chegaram à América em 1880, mas na época eles pesavam até 6 quilos; por volta de 1900 foi decidido que o tamanho menor tinha preferência, com o pelo mais longo. Em 1885 a AKC reconheceu a raça.

Características

Indicado como cão de companhia, pode acompanhar o dono em viagens sem problemas. É afetuoso e dedicado à família e ao dono. Precisa de contato com as pessoas o tempo todo. É alerta, inteligente, ativo e cheio de energia. Pode ser desconfiado com estranhos e até um pouco agressivo com outros cães, se não for educado. É também uma raça que se dá muito bem com crianças. Não costuma latir muito, normalmente só o faz  em momentos que fujam da rotina da casa.
  • Compacto, com postura elegante e porte imponente;
  • Crânio pequeno e plano, não muito proeminente ou redondo;
  • Focinho não muito longo e com a trufa preta;
  • Olhos médios, escuros e com expressão inteligente;
  • Orelhas pequenas e triangulares, cobertas com pelo curto e eretas;
  • Cauda de comprimento médio e peluda;
  • Patas redondas e com unhas pretas;
  • Casaco revestido com pelo longo, sedoso e bastante linear;
  • Cores azul escuro-aço, bronze e preto (ou cinza escuro);
  • 9ª raça mais popular da América.

Cuidados básicos

A longa pelagem deve ser escovada diariamente. Como o pelo exige muito cuidado, muitos optam por cortá-lo. Apesar de ativo, não precisa de muito exercício devido ao pequeno tamanho. Os dentes do Yorkshire requerem atenção e limpeza regular, portanto é indicado acompanhamento veterinário. Também é recomendado que tenha sempre um osso duro para morder, o que ajuda na higiene dentária. Como todos os cachorros, essa raça também precisa cortar as unhas regularmente.  Por não ter um subpelo, o Yorkshire Terrier não deve ser tosado . Existem três cortes possíveis:  corte para competição (pelos longos), o corte higiênico (que tira os pelos apenas das patas, rosto e partes íntimas) e o corte filhote, que deixa o pelo bem curtinho.  Seu pelo pode secar ao vento, mas é aconselhado o uso de um secador, para que realmente seque até a raiz e impeça a proliferação de  bactérias .

O tamanho compacto faz com que seja irresistível carregar o Yorkshire no colo. Essa prática, porém, faz mal ao cão quando feita em excesso. Além de entortar a coluna, ele se sente superprotegido e passa a apresentar comportamento valente e corajoso em excesso, rosnando e latindo para outros cães, desafiando-os ou até provocando brigas. Eles também podem ficar neuróticos e com medo de sair de casa e se divertir no parque, por exemplo. 

Se estiver pensando em ter um, saiba que ele é melhor para casas com crianças maiores. Apesar de adorar crianças, pode se machucar com facilidade se os pequenos não souberem respeitar seu espaço. 

O Yorkie precisa de dois banhos mensais e escovação diária para manter seu pelo brilhante e sedoso. Os exercícios diários incluem jogos, brincadeiras e caminhadas, nada em exagero, apenas para queimar sua energia infinita. 



Alimentação

A quantidade de ração varia de acordo com o peso e o tamanho do animal e pode ser encontrada nas embalagens.
Deve-se alimentar o cão de duas a três vezes por dia e manter água à vontade.
A qualidade da ração é fundamental para a saúde do animal. As do tipo Premium e Super Premium são as nutricionalmente balanceadas.
Até os doze meses, o Yorkshire Terrier é considerado filhote. Nesta fase, a quantidade de ração varia de 50 a 95 gramas por dia. O alimento indicado são rações específicas para filhotes.
A partir de um ano o cão é considerado adulto. Deve-se mudar a ração e a quantidade varia de 25 a 55 gramas/dia.

Espaço para criação

Por seu pequeno tamanho, adapta-se a qualquer ambiente e pode viver tranquilamente em apartamento.

Saúde

Os  Yorkshire Terrier  menores têm mais tendência de apresentar problemas de saúde como a  retenção no nascimento dos seus dentes permanentes. Isso pode causar problemas periodentais.  Também podem sofrer pontes portossistêmicas , uma afeção que desenvolve o acúmulo de toxinas no sangue devido a uma irrigação sanguínea anormal, desviada do fígado. As consequências disso são perda de audição, visão e um atraso no seu desenvolvimento.

A luxação p atelar, bastante dolorosa para o animal, também pode atingir essa raça. Nesse caso,  as suas patas e articulações dos joelhos se deslocam e qualquer movimento mais brusco não pode ser realizado, já que a dor é muito intensa.

Os Yorkshire Terrier podem, ainda, ter urólitos, que são  cálculos na vesícula. É uma enfermidade também bastante dolorosa e que provoca maior quantidade de urina, além desta apresentar sangue.


Doenças que afetam a raça: 
  • Luxação patelar: condição comum em cães pequenos, é causada quando a patela não está devidamente alinhada, provocando claudicação na perna e dificuldade para caminhar. São quatro graus de luxação, sendo o grau I caracterizado por uma luxação ocasional e claudicação temporária na articulação, e o grau IV caracterizado pela gravidade do giro da tíbia, sendo necessário até intervenção cirúrgica para correção. A fricção causada pela luxação patelar pode levar à artrite. 
  • Hipoglicemia: provocada pelo baixo nível de açúcar no sangue, pode provocar fraqueza, dificuldade para caminhar e tontura. Pode ocorrer ocasionalmente, mas se o cão apresenta os sintomas com frequência é necessário fazer um tratamento específico.
  • Colapso da traqueia: provoca tosse crônica e seca. É tratada com remédios ou até cirurgia. 
  • Espirro inverso: ocorre quando a secreção nasal cai no palato mole, fazendo com que ele se feche em reação automática. O resultado é semelhante ao do colapso da traqueia, mas menos grave, pois assim que o cão se calma o problema para. Acariciar a garganta suavemente ajuda ele a relaxar. 
  • Shunt portossistêmico: provocado por um fluxo anormal de sangue entre o fígado e o corpo, causando anormalidades neurocomportamentais, falta de apetite, hipoglicemia, problemas gastrointestinais, problemas no trato urinário e crescimento atrofiado. 

Curiosidades

Esta raça é uma das mais populares, de acordo com estatísticas do American Kennel Club (AKC Registration Statistics). 

A raça surgiu na região do Reino Unido, mais precisamente no nordeste da Inglaterra, apesar de só ser reconhecido anos depois.  No final do século XI , os  servos  passaram a ter permissão para criarem cães, porém seu tamanho não deveria ultrapassar um aro com curto diâmetro.  Acredita-se, então, que posteriormente isso pode ter sido a causa do do início dos  cruzamentos artificiais  que levaram às raças, mais tarde denominadas T erriers . Naquele período, o cão que passasse com tranquilidade  por esse aro era considerado pequeno o suficiente para não caçar. Isso porque a classe servil, que pertenciam aos seus donos, não tinha o direito à caça nos domínios senhoriais.


Por que ter um Yorkshire Terrier?

O pequeno Yorkshire Terrier é encantador e uma das raças mais populares do mundo. Atrai todas as atenções por onde passa, não só por sua beleza e graciosidade (ou pela facilidade de transportá-lo em bolsas, carrinhos e colo), mas também pela deliciosa personalidade. 

São afetuosos, se dão bem com todos da casa, incluindo crianças e outros pets - desde que sejam criados com eles. Cabem perfeitamente em um apartamento, precisam de pouco exercício diário e são fáceis de treinar, pois são muito inteligentes.

Muito leais à família, gostam de receber atenção, carinho e muitas brincadeiras, além de adorarem ficar no colo. São ótimos cães de terapia, capazes de fazer de tudo para deixar seus tutores felizes, e aceitam brincadeiras com tranquilidade, sendo ótimos para crianças.  

A doçura fica de lado quando é preciso defender seu espaço. O Yorkshire Terrier não é territorial, mas suspeita de estranhos e pode ser agressivo com eles se precisar proteger os seus. São excelentes para quem vive sozinho e busca um companheiro fiel. 

Por que não ter um Yorkshire Terrier?

O Yorkshire precisa de muita atenção e carinho da família. Longos períodos de tempo sozinho podem deprimi-lo e deixá-lo entediado, e cão entediado é sinônimo de destruição. Se não estiver ocupado, ele vai latir muito, mastigar o que ver pela frente e cavar no seu jardim.

Eles podem ser possessivos caso seus tutores tragam um novo animal de estimação para casa. Seguindo sua herança Terrier, podem querer desafiar o intruso e provocar uma briga, da qual ele não vai descansar enquanto não vencer. 

O Yorkshire é também teimoso, de personalidade forte e agressivo com cães estranhos e animais pequenos, como esquilos e coelhos. É alerta e agitado, o que pode ser cansativo para tutores mais sedentários. 


Conheça outras raças de cães