Guia de Bichos
Chihuahua - undefined

Chihuahua

  • Nome no Brasil: Chihuahua
  • Nome original: Chihuahueño
  • País de origem: México
  • Preço médio: entre R$ 2 mil e R$ 8 mil
  • Tipo de pelo: Curto

Tudo sobre Chihuahua

Porte: médio
Porte: médio
Porte: médio
Porte: médio

Descrição

  • Grupo: 9 – Cães Toys e de Companhia
  • Porte: 6 - Chihuahua
  • Machos/Fêmeas: entre 15 e 22 centímetros/até 3 quilos
  • Tipo de pelo: dois tipos, curto e longo, sendo o curto brilhante, macio e bem assentado e o longo fino, sedoso e liso
  • Temperamento: gracioso, charmoso, cheio de vida, rápido e atrevido
  • Expectativa de vida: 14 a 18 anos

Escala de 1 a 5

  • Para tutores de primeira viagem:  4
  • Energia:  3
  • Inteligência:  4
  • Facilidade de adestramento:  4
  • Como cão de guarda:  2
  • Adapta-se ao calor:  2
  • Adapta-se ao frio:  1
  • Adapta-se bem à vida em apartamento:  5
  • Necessidade de atividades físicas:  3
  • Fica bem sozinho:  1
  • Relacionamento com a família:  5
  • Relacionamento com crianças:  5
  • Relacionamento com estranhos:  2
  • Tendência a latir:  3
  • Tendência à obesidade:  3

Cão de pequeno porte e estrutura compacta. A cauda é longa e curvada em direção ao dorso. Pode ser encontrado com pelagem curta ou longa. A pelagem curta é lisa e uniformemente assentada ao corpo. A pelagem longa é sedosa e levemente ondulada e assume um comprimento mais longo nas orelhas, pescoço, posterior dos membros e cauda. Todas as cores e combinações são aceitas para essa raça. 

Existem duas teorias que tentam explicar a origem do Chihuahua. A primeira (e mais obscura) afirma que a raça surgiu na América do Sul, descendente de um cão pequeno e mudo chamado Techichi. A civilização Tolteca criava esses cães, que foram registrados em esculturas e mostram que os mesmos possuem as mesmas características do Chihuahua, tais como cabeça redonda e orelhas grandes. 

O Techichi era tido como um cão que guiava as almas para o submundo. Toda família tinha um cão da raça, que era sacrificado em rituais religiosos ou quando um membro da família falecia, sendo cremado junto a ele.

Quando os Astecas conquistaram os Toltecas, passaram a acreditar que o Techichi tinha poderes míticos e a capacidade de ver o futuro e curar os doentes. Eles acabaram se tornando também fonte de alimento e peles, desaparecendo no final dos anos 1500, quando os espanhóis conquistaram os Astecas.

Já a outra teoria afirma que a raça surgiu na China e foi trazida para o México por comerciantes espanhóis. Lá, ela foi cruzada com raças nativas muito pequenas. É provável, porém que o Techichi nativo tenha sido cruzado com os cães chineses, originando no Chihuahua que conhecemos hoje, que foram descobertos no estado mexicano de mesmo nome em 1850.

Os americanos começaram a levar os Chihuahuas por volta de 1800, e em 1890 eles foram exibidos em 1890. Em 1904 a AKC reconheceu a raça. 

Características

O Chihuahua é um cão com forte personalidade. Quando adestrado e socializado desde filhote torna-se um ótimo cão de companhia, muito carinhoso, vivaz, leal e apegado aos donos. Lida bem com crianças e com outros animais. Uma maneira comum de mostrar carinho é lamber. No entanto, quando sente que está no comando passa a ser agressivo, territorialista e ciumento. Tais posturas farão do cão um perigo para crianças, visitas e outros animais de estimação. Atividades físicas, além das mentais, também são necessárias. Ao contrário do que se pensa, uma raça mini como o Chihuahua também deve se exercitar diariamente através de passeios.

  • O menor cão de raça do mundo;
  • Crânio em formato de maçã, bem arredondado;
  • Focinho curto e reto, quando visto de perfil;
  • Trufa curta, preta e apontando ligeiramente para cima;
  • Bochechas pouco desenvolvidas e secas;
  • Olhos grandes, redondos e muito expressivos;
  • Orelhas grandes, eretas, bastante abertas e afinando na ponta;
  • Pescoço arqueado e mais grosso nos machos;
  • Tronco compacto e bem construído;
  • Peito largo e profundo, com costelas bem arqueadas;
  • Cauda comprida, inserida alta e afinando até a ponta.

Cuidados básico

Não há uma frequência obrigatória de banhos. Por serem muito pequenas, raças como essa requerem um cuidado especial com baixas temperaturas, assim como com lesões e intoxicações por alimentos ou produtos. Deve-se evitar comidas em excesso, pois têm tendência a engordar.

Esse é um cão para viver dentro de casa, que não suporta o frio e também é muito fácil de ser machucado, devido ao seu tamanho. Eles precisam de exercício físico, assim como qualquer cão, mas brincadeiras e jogos dentro de casa são suficientes para entretê-los.

Para treinar seu pet, use o reforço positivo, recompensando-o com alimentos e carinho quando fizer a coisa certa. Ele não responde bem a um tratamento severo, e também deve ser exposto a socialização precoce para se tornar um adulto saudável e sociável.

Quanto ao pelo, os cuidados são mínimos. Basta escovar de duas a três vezes na semana para eliminar os cabelos mortos e deixá-lo brilhante. 

Alimentação

A quantidade de ração varia de acordo com o peso e o tamanho do animal e pode ser encontrada nas embalagens.
Deve-se alimentar o cão de duas a três vezes por dia e manter água à vontade. Cães de pequeno porte consomem rações small breed.
A qualidade da ração é fundamental para a saúde do animal. As do tipo Premium e Super Premium são as nutricionalmente balanceadas.
Até os doze meses, o Chihuahua é considerado filhote. Nesta fase, a quantidade de ração varia de 65 a 95 gramas por dia. O alimento indicado são rações específicas para filhotes.
A partir de um ano o cão é considerado adulto. Deve-se mudar a ração e a quantidade varia de 25 a 55 gramas/dia.

Espaço para criação

Essa raça se adapta bem em apartamento e espaços pequenos. Passeios diários são recomendados para manter o equilíbrio mental e físico do cão. São sensíveis a temperaturas baixas.

Custo de manutenção

O Chihuahua é pequeno, mas muito resistente. Como todos os cães, tem mais propensão maior a algumas doenças, que são vistas ocasionalmente. A maior preocupação deve ser com um ponto frágil no crânio, chamado de fontanela aberta (a popular moleira), que não se fecha completamente e pode provocar a morte em caso de golpe acidental.

A luxação patelar é comum em cães pequenos, e ocorre quando a patela não está devidamente alinhada, provocando claudicação na perna e artrite. Hipoglicemia também pode ocorrer em filhotes de raças Toys, é facilmente tratável nos estágios iniciais, mas pode ser fatal caso não haja tratamento adequado.

Os Chihuahuas podem sofrer também de estenose pulmonar, que ocorre quando o sangue não flui corretamente pelo coração por conta de uma má formação na válvula pulmonar. O órgão precisa trabalhar mais e aumenta de tamanho, levando à insuficiência cardíaca. 

Por que ter um Chihuahua?

É até clichê dizer que o tamanho pequeno do Chihuahua não tem nada a ver com sua enorme personalidade, então vamos começar pelas vantagens de ter esse pet em casa: é um companheiro fiel, que vai segui-lo como uma sombra e que prospera em afeto.

O Chihuahua é alerta e suspeito com estranhos, e vai fazer um escândalo para avisar a família se algo estranho ocorrer. Cria vínculo com uma única pessoa, sendo uma ótima opção para quem quer um companheiro fiel, mas pode também fazer novos amigos.

São inteligentes e rápidos, podendo participar de testes de agilidade e obediência como cães maiores.  


Por que não ter um Chihuahua?

O principal problema do Chihuahua – veja só – é seu tamanho. Você precisará ter atenção redobrada, pois eles são exploradores curiosos e ousados e tem muita facilidade de escapar por buracos e frestas que você nem imagina. Com isso, podem fugir ou se machucar, já que também tendem a enfrentar cães maiores e esquecer que são pequenos.

Não são recomendados para casas com crianças menores de 10 anos, pois podem facilmente se machucar. Precisam de atenção quando estiverem na rua, pois podem se colocar em situações de risco. 

Conheça outras raças de cães