Guia de Bichos
Akita - undefined

Akita

  • Nome no Brasil: Akita
  • Nome original: Akita Inu
  • País de origem: Japão
  • Preço médio: entre R$ 2.500 e R$ 6 mil
  • Tipo de pelo: Alto

Tudo sobre Akita

Porte: médio
Área de criação: média
Energia: alta
Temperamento: amigável

Descrição

  • Grupo: 5 – Spitz e Raças Primitivas
  • Porte: 5 – Spitz Asiáticos e Raças Relacionadas
  • Função original: cão de luta 
  • Tamanho do macho: entre 63 e 71 cm
  • Tamanho da fêmea: entre 58 e 66 cm
  • Peso do macho: entre 38 e 58 Kg
  • Peso da fêmea: entre 29 e 29 Kg
  • Tipo de pelo: o externo é áspero e reto; o subpelo é macio e denso
  • Temperamento: digno, corajoso, muito leal, dócil e receptivo
  • Expectativa de vida: 10 a 12 anos
Escala de 1 a 5
  • Para tutores de primeira viagem: 2
  • Energia: 4
  • Inteligência: 3
  • Facilidade de adestramento: 2
  • Como cão de guarda: 2
  • Adapta-se ao calor: 2
  • Adapta-se ao frio: 5
  • Adapta-se bem à vida em apartamento: 2
  • Necessidade de atividades físicas: 4
  • Fica bem sozinho: 1
  • Relacionamento com a família: 5
  • Relacionamento com crianças: 1
  • Relacionamento com estranhos: 2
  • Tendência a latir: 5
  • Tendência à obesidade: 4
Cão de grande porte. Apresenta duas camadas de pelos, sendo a externa com pelo duro e reto e a inferior mais macia e densa. Na cauda o pelo é mais comprido do que no restante do corpo. Pode ser encontrado nas cores vermelho, vermelho e preto, tigrado e branco. 

O surgimento do Akita é datado do século XVII, quando um nobre interessado na criação de cães desafiou os proprietários da cidade de Akita, na ilha de Honshu, Japão, a criar um cão poderoso para competição. A ilha era muito fria durante o inverno, e os cães criados deveria suportar a temperatura e caçar ursos, veados e javalis.  

No final do século XIX, passou por um período em que foi usado como cão de luta, sendo, inclusive, cruzado com outras raças. As rinhas eram muito comuns no Japão e o Akita era chamado de "Odate", por causa do nome da cidade que vivia. Em 1897, os cães da província de "Tosa", uma das áreas mais famosas pelas brigas caninas, foram levados à província de Akita. Inicialmente, os Akitas Inu eram mais fortes do que os Tosas mas, gradualmente, foram sendo superando devido ao cruzamento dos Tosas com cães europeu.

Com medo desse aumento da mestiçagem e a preocupação na preservação do Akita original, foi criada a Sociedade Akita-inu Hozankai em 1927, no Japão, pelo prefeito de Odate e em 1931 ele foi nomeado uma das riquezas naturais do país. Nesta mesma época, o interesse por briga de cães começou a declinar.

O primeiro cão da raça chegou à América em 1937, por um senhora chamada Helen Keller, que conheceu a raça em uma visita a Akita. Mas, a popularização dos Akitas só ocorreu após a Segunda Guerra Mundial, quando muitos cães foram levados para os Estados Unidos pelos soldados, muitos deles filhotes de cruzamento entre Akita e Pastor Alemão. A partir disso, nasce o Akita Americano, se popularizando rapidamente entre os americanos. O Akita japonês só foi reconhecido pela AKC somente em 1972. 

Para preservar o que consideravam como o Akita original, o Japan Kennel Club promoveu mudanças no padrão da raça aceito pela FCI, distanciando-o ainda mais do padrão seguido pelos americanos. O Akita tem crescido cada vez mais em popularidade e hoje é usado como cão policial e cão de guarda no Japão.

Características

É calmo, dócil, inteligente, silencioso e muito fiel ao dono. Apesar disso, não é muito sociável e nem do tipo brincalhão, mas sabe viver bem entre os familiares a fim de obter atenção e carinho. Pode conviver com crianças, desde que tenha sido criado ao lado delas. Ele não é receptivo com pessoas que convive pouco e é reservado com estranhos, mas nunca reage de forma agressiva sem motivo. Excelente para proteger a propriedade e os moradores. Além de cães de estimação, também são utilizados pela polícia japonesa.

É um cão bastante dominante e por isso precisa de donos que saibam impor claramente seus limites, sem apelar para o uso de violência. No caso do relacionamento com outros cães, o Akita costuma disputar a liderança com eles. A relação só será pacífica se a raça for a líder. Mas, no geral, o Akita  não convive bem com outras raças e podem surgir brigas e disputas até mesmo com outros da mesma raça.  Apesar de não ser uma raça para todos, nas mãos certas o Akita é um excelente companheiro.

Apesar do Akita ter uma boa relação com crianças,  é bom ficar atento, pois às vezes ele pode confundir brincadeiras com lutas e isso acabará machucando os pequenos. A socialização precoce e frequente são essenciais para ajudá-lo a desenvolver a confiança saber diferenciar situações normais de uma ameaça real.

Ao contrário de muitas raças Spitz, esse cão não é conhecido por latir, mas isso não diminui suas habilidades como um cão de guarda. P ode ser facilmente treinado  e adestrado. Porém, assim como a grande maioria das raças caninas, pode aprender com mais rapidez e intensidade quando os ensinamentos são iniciados ainda na fase de filhote.

  • Grande porte, bem proporcionado e com uma figura de elevada nobreza e dignidade em sua modéstia
  • A estatura óssea é bem pesada
  • Cabeça grande em contraste com os olhos pequenos e triangulares
  • Crânio proporcional ao corpo, com testa larga
  • Stop bem definido
  • Os olhos são  relativamente pequenos, formato quase triangular devido a ligeira elevação do canto externo dos olhos, inseridos moderadamente separados, de cor marrom escura
  • Focinho longo e forte, afunilando até a ponta
  • Nariz grande e preto. Uma ligeira e difusa falta de pigmento aceito apenas em cães brancos, mas preto é sempre preferível
  • Lábios são bem ajustados
  • As bochechas são moderadas e bem desenvolvidas
  • Os dentes são fortes e com mordedura em forma de tesoura
  • Orelhas pequenas, grossas, triangulares e arredondadas nas pontas
  • Pescoço grosso e musculoso, em equilíbrio com a cabeça
  • Peito profundo e bem desenvolvido
  • Costelas moderadamente arqueadas
  • Os membros bem desenvolvidos, fortes e, moderadamente, angulados
  • Cauda alta, grossa e vigorosamente enrolada; se for desenrolada, a ponta quase toca o jarrete
  • A movimentação do animal é elástica e potente
  • Casaco externo áspero e reto, interno macio e denso
  • Cernelha, cauda e quadril cobertos por pelo mais longo
  • As cores aceitas são ruivo fulvo, sésamo, tigrado e branco. Todas as colorações, exceto o branco, deverão ter uma pelagem esbranquiçada nas laterais do focinho, nas bochechas, sob o queixo e no pescoço, no peito, toda a linha inferior e face medial dos membros

Cuidados básicos

Treinamento adequado é essencial, assim como muito estudo e conhecimento sobre a melhor forma de fazê-lo para essa raça. Lembre-se, a teimosia e obstinação são características fortemente demarcadas, que podem retardar o processo de treinamento. Por isso é importante que o tutor ofereça um treinamento respeitoso e tenha capacidade de investir esforço e pesquisa para formação adequada – a recompensa será um cão fino, elegante e muito leal. 

O Akita é muito reservado em relação a estranhos, e é preciso expô-los desde pequenos para que possam ser menos cautelosos e mais sociáveis. 

Ele tem um hábito bastante marcante: puxar o braço das pessoas que ama. É uma raça que gosta de carregar coisas na boca, mas essa prática em particular pode indicar que quer passear, por exemplo. Se você se incomodar, basta lhe pedir que traga os chinelos, as chaves ou o jornal para que ele tenha um trabalho a fazer.  

Precisa de muito tempo com sua família, sendo o tipo de cão que não deve passar horas no quintal ou sozinho em casa. Isso pode deixá-lo se sentindo solitário e entediado, tornando-o destrutivo. Os pelos podem ser escovados uma vez por semana. Nos períodos de queda de pelo as escovações devem acontecer todos os dias. A raça não precisa de muitos banhos regulares, uma ou duas vezes ao ano, em caso de cães bem escovados, pode ser o suficiente para manter a pelagem de seu mascote bonita e saudável.  Caminhadas diárias suprem sua necessidade por exercícios. 

As unhas devem ser aparadas uma vez por mês, e os ouvidos inspecionados uma vez por semana. Limpe os ouvidos suavemente usando uma bola de algodão umedecido. Os dentes também devem ser limpos regularmente para manter uma boa saúde bucal. 


Alimentação

A quantidade de ração varia de acordo com o peso e o tamanho do animal, e pode ser encontrada nas embalagens.

Deve-se alimentar o cão três vezes por dia e manter água à vontade, sempre fresca, na vasilha.

Cães de grande porte consomem rações large breed.

Até os 12 meses, o Akita é considerado filhote. Nesta fase, a quantidade de ração varia de 130 a 260 gramas por dia. O alimento indicado são rações específicas para filhotes (pupppy large).

A partir de um ano o cão é considerado adulto. Deve-se mudar a ração e a quantidade varia de 220 a 300 gramas/dia.

A qualidade da ração e fundamental para a saúde do animal. As do tipo Premium e Super Premium são as nutricionalmente balanceadas.

Espaço para criação

Pela energia que possuem e precisam gastar, é necessário um espaço amplo no qual o cão possa correr, para não tornar-se um destruidor.

Saúde

As enfermidades que podem afetar o Akita são semelhantes às de outras raças. No geral, é um cão saudável, que ocasionalmente pode apresentar alguma dessas doenças: 
  • Hipotireoidismo: tratado com medicação e dieta adequadas, afeta a glândula tireoide e pode provocar epilepsia, perda de pelo, obesidade e letargia; 
  • Atrofia progressiva da retina: caracterização pela deterioração gradual da retina, no início os cães ficam cegos à noite e aos poucos a cegueira progride; 
  • Adenite sebácea: problema sério em Akitas, provocado pela inflamação e destruição das glândulas sebáceas, levando a problemas como pele seca, perda de pelo, escamação e até infecções cutâneas secundárias; 
  • Displasia de quadril: condição na qual o fêmur não se encaixa perfeitamente na articulação do quadril, provocando dor e claudicação, além do desenvolvimento de artrite; 
  • Torção gástrica: o cão não consegue se livrar do excesso de ar em seu estomago após uma refeição, provocando queda da pressão arterial e choque. Pode ser fatal caso não seja levado ao veterinário imediatamente.

Curiosidades

Hachiko, um cão da raça Akita, é o cão mais homenageado de todos os tempos e teve sua história contada no filme “Sempre ao Seu Lado”. A história é verídica e mostra um cão que esperava seu tutor todas as noites na estação de trem para acompanhá-lo até em casa. 

O tutor faleceu no trabalho, mas isso não impediu Hachiko de seguir o ritual – que se manteve até 8 de março de 1935, nove anos depois, quando ele finalmente morreu e se juntou ao seu amado companheiro. 

O Akita era o cão oficial das famílias nobres no período do Japão feudal.

Por que ter um Akita?

O Akita se tornou popular após o lançamento do filme “Sempre ao Seu Lado”, que mostra como a raça pode ser fiel ao seu tutor, independente do que aconteça com ele. 

Essa é uma reprodução exata da lealdade inabalável do Akita, que é um pet extremamente afetuoso e devotado à sua família. É como se sua missão de vida fosse servir aos seus tutores, os quais ele segue pela casa como um protetor amoroso. 

É corajoso, jamais vai recuar de um desafio, e cauteloso com estranhos, só sendo acolhedor quando sua família está em casa e indica que está tudo bem.  Excelente para proteger a propriedade e os moradores. Apesar de não ser uma raça para todos, nas mãos certas o Akita é um excelente companheiro.

Ao contrário de muitas raças Spitz, esse cão não é conhecido por latir, o que pode ser ótimo para quem pensa em ter um Akita em apartamento (apesar de não ser o local ideal), mas isso não diminui suas habilidades como um cão de guarda. P ode ser facilmente treinado e adestrado. Porém, assim como a grande maioria das raças caninas, pode aprender com mais rapidez e intensidade quando os ensinamentos são iniciados ainda na fase de filhote.

Por que não ter um Akita?

O Akita é um cão cheio de personalidade e muito teimoso, tornando o treinamento um verdadeiro desafio. Não são todas as pessoas que podem ter um cão dessa raça: sua lealdade faz com que somente o tutor possa treiná-lo, pois o vínculo é essencial para o sucesso das práticas, mas ao mesmo tempo eles exigem treinamento específico e muito tempo de pesquisa e dedicação sobre como treiná-los. 

Tutores de primeira viagem, pessoas tímidas ou que tem dificuldade de assumir o controle podem ter problemas em treinar o Akita. É preciso investir tempo, esforço e paciência para lhe dar a formação adequada. O treinamento também demora mais tempo do que outras raças, pois a teimosa e obstinação interferem. 

Apesar de afetuoso e leal, ele não é muito dado a carinhos e é bastante reservado, com trações que lembram um felino. Quem deseja um cãozinho de colo não se dará bem com essa raça, que também precisa viver junto à família e dentro de casa, segundo sua natureza. Do contrário pode se tornar destrutivo e aborrecido.

No caso do relacionamento com outros cães, no geral, o Akita  não convive bem com outras raças e podem surgir brigas e disputas até mesmo com outros da mesma raça. É recomendado para famílias com um único cão, no caso, o Akita.  Por último, ele é o tipo de cão que faz uma bagunça quando bebe água. Prepare-se para mini poças pela casa. 

Conheça outras raças de cães