Os gatos não precisam ficar presos dentro de casa o tempo todo, assim como os cachorros eles podem sair para passear

Olá, amigos do Canal do Pet! Hoje vim falar de uma coisa que muitos não estão acostumados, mas que é completamente possível de acontecer: passear com gato na coleira. 

Leia mais:   A família toda vai viajar, mas e o gato?

Passear com o gato na coleira pode ser uma forma de estar mais perto do animal
shutterstock
Passear com o gato na coleira pode ser uma forma de estar mais perto do animal

A prática pode parecer impossível, mas passear com gato na coleira é uma atividade bem legal e uma ótima oportunidade para estar ao lado do bichinho de estimação. Para que isso aconteça, é preciso existir o devido treinamento.

A maioria dos gatos pode realmente não ter aptidão para esse tipo de “divertimento”, especialmente os de temperamento mais inseguro. Assim, caso se perceba que o gato está estressado, incomodado, não quer explorar ou andar, é melhor nem insistir.

No caso dos gatos maus destemidos e cheios de energia, pode ser uma alternativa bem bacana. Principalmente se eles foream habituados desde filhotes.

Vá com calma!

Antes de começar, é indicado tomar alguns cuidados para evitar problemas, como fugas, medo excessivo ou acidentes.

Com relação à coleira, deve ser providenciado um equipamento próprio para ser usado com gatos, que consiste em uma espécie de peitoral mais adaptada à anatomia deles, com uma tirar que fica ao redor do pescoço, outra ao redor do tórax e, nessa parte, prende-se a guia propriamente dita. Muito cuidado para o gato não aprender a “sair” da peitoral.

Manter uma plaquinha de identificação com o telefone de contato do tutor é superimportante.

Leia também: Você tem um gato elétrico em casa? Entenda por que ele não fica quieto

Treinos

Para que o gato se acostume a ter esse item em seu corpo, o ideal é começar apenas brincando com a coleira, sem ainda prendê-la no felino, fazendo associações positivas com recompensas saborosas ou brincadeiras que o gato goste.

via GIPHY

Aos poucos, colocar e logo tirar, aumentando o tempo à medida que ele se mostre confortável. Só se deve colocar a coleira e a guia e começar a andar pela casa quando ele não demonstrar sinais de desconforto ou medo.

Hora de sair

Quando o gato já estiver habituado à coleira e à guia dentro de casa, pode-se começar a explorar novos ambientes. O indicado é começar em lugares pouco movimentados e sem muitos estímulos, como, por exemplo, o hall de entrada do prédio ou a garagem de casa.

Se o gato se mostrar com medo do novo local a ser explorado, o ideal é voltar um passo atrás, ou seja, ir para um local menos estimulante, onde ele não se sinta inseguro.

É importante ir aos poucos, deixando o gato ficar totalmente à vontade em um lugar para somente então levá-lo a outro, com sessões curtas no início.

Leia mais: Gato medroso: como lidar e o que pode ser feito para resolver o problema

Quando o gato estiver demonstrando segurança e curiosidade natural em relação a novos locais, pode-se avançar um pouco mais, indo para lugares com mais estímulos visuais e sonoros.

Caminhar com o gato já treinado em horários mais calmos e em locais com poucos cachorros pode tornar o passeio ainda mais legal e seguro.

Lembrando que será um passeio bem diferente do que é com um cão: o gato vai preferir cheirar cada cantinho, subir em tronco de árvore etc.

Se tudo correr bem com o treinamento, passear com o gato de coleira pode ser divertido para o animal e para o tutor.

Um abraço,

Alexandre Rossi.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.