As preocupações com o filhote são tão grandes que o dono pode não dar atenção ao cachorro antigo, isso não pode acontecer

Olá, amigos do Canal do Pet, tudo bem? A chegada de um filhote  em casa pode mudar muito a rotina e é importante que o dono esteja atento a todos os detalhes. 

Para que os dois animais sejam amigos, é preciso que a conivência seja saudável desde a chegada do filhote em casa
shutterstock
Para que os dois animais sejam amigos, é preciso que a conivência seja saudável desde a chegada do filhote em casa

Um erro, por exemplo, é já ter cachorro e não se preocupar com o que ele vai achar do novo filhote em casa . No entanto, ele precisa ter uma atenção especial, mas muitas pessoas não dão muita importância a boa apresentação de um cão a outro. O “pique” de um filhote é bem diferente do cão adulto e a interação pode não ser tranquila, por isso devemos supervisionar essa interação no início.

Se o primeiro contato entre eles gerar reações agressivas , a relação entre os dois pode ficar comprometida e ser difícil reverter, gerando até situações de perigo constante. Portanto, é preciso tomar alguns cuidados para que o mais velho não estranhe a chegada do filhote.

Primeiro contato

A primeira dica para uma aproximação adequada é providenciar para que o primeiro contato se dê em um local neutro. Pode ser na rua, em um parque ou praça – de preferência, sem muito barulho ao redor. Lembrando que o filhote em fase de vacinação não deve ter acesso ao chão, mas ele pode estar no colo de um dos membros da família, enquanto outra pessoa caminha com o mais velho na guia, fazendo um passeio divertido e estimulante. 

Após chegarem em casa, a aproximação deve ocorrer aos poucos, iniciando-se com uma boa distância entre os cães. Lembrando que um cão mais velho pode não tolerar as brincadeiras mais animadas de um filhote, especialmente dentro do seu ambiente. Assim, é muito importante controlar o filhote, não permitindo que ele chegue de forma muito “animada” no mais velho, ou que pule e morda o outro.

via GIPHY

É importante ficar atento às reações, especialmente do mais velho. Sinais como encarar o outro fixamente, pelos do pescoço eriçados, cauda ereta e imóvel podem significar desconforto, e a distância entre eles deve ser aumentada. O filhote pode demonstrar sinais de medo do outro, como ficar encolhido, fugir e tentar avançar.

Por outro lado, devemos valorizar os comportamentos legais. Se o cão, mesmo já tendo visto o outro, se mantiver em uma posição relaxada, ele deve ser elogiado e bastante recompensado, de preferência, com algo ele que goste muito! Assim, aproveita-se para fazer associações positivas também.

Respeitar o cão mais velho        

Mesmo com uma aproximação cuidadosa, o cão mais velho pode dar sinais de que a presença do filhote está desagradável. Isso é relativamente comum e pode levar algum tempo para que ele se acostume ao novo membro da família.

Ele pode estar inseguro e até estressado pela mudança na rotina em razão da chegada do filhote. Podem ocorrer, inclusive, comportamentos parecidos com ciúmes, especialmente quando o filhote estiver por perto.

Por isso, é importante dar muita atenção ao cão mais velho quando o filhote estiver presente no mesmo ambiente, para que ele associe a presença dele a algo importante: atenção do tutor.

Muitas pessoas costumam brigar com o mais velho, não entendendo o motivo de ele ainda não querer “fazer amizade com um filhote tão lindo”. Mas essa é uma interpretação humana, não aplicável ao início de um relacionamento entre dois cães.

Se o mais velho sempre associar a presença do filhote a mais atenção, interação, brincadeiras e recompensas, e não à perda de recursos que são importantes a ele, provavelmente ele logo interagirá de forma tranquila com o novo companheiro.

Lembrando que é preciso sempre respeitar o tempo deles. Não temos como saber quanto tempo será preciso insistir nas associações positivas e no controle para que eles passem a conviver melhor. Cada cão é um indivíduo com um temperamento característico e esses fatores têm influência no tempo que a adaptação pode demorar.

O mais importante é verificar se ao menos pequenos progressos estão ocorrendo, se no dia a dia o bem-estar de ambos está sendo garantido, para ter mais garantias de que o relacionamento entre eles será harmônico e bacana ao longo da vida. Dessa forma a chegada do filhote em casa será mais segura. 

Um abraço a todos,

Alexandre Rossi. 

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.