Os passeios diários são ditos como muito importantes para a saúde dos cães, por isso os tutores se preocupam quando eles não gostam de sair de casa

A maioria dos tutores, assim que adotam um cão , acredita que o pet será apaixonado por passeios: caminhar no parque, entre as árvores, interagir com as pessoas e outros cães, correr em um gramado ou mesmo acompanhar o tutor nas tarefas diárias, caminhando pelas ruas. Mas, e se o cãozinho demonstrar medo ou apreensão na hora de passear? Por que isso acontece e como resolver?

Ao contrário do que se espera, alguns cachorros tem muito medo de passear
shutterstock
Ao contrário do que se espera, alguns cachorros tem muito medo de passear


Motivos para o cão ter medo de passear

Muitos cães, na época de filhote, não são habituados a usar coleira e guia, e se sentem incomodados com o acessório. Treinar o filhote (ou mesmo o cão adulto) a usar o assessório, por meio de petiscos para recompensar, é uma forma simples de melhorar o problema do medo de passear . Pense também em usar uma coleira confortável: as de pescoço de couro ou tecido, bem firmes, mas não enforcadoras, ou peitorais comuns ou antipuxão são boas pedidas.    

Outra razão para eles não gostarem do passeio é o fato de não terem sido bem sociabilizados  com o ambiente externo quando filhotes: levar o filhote, com idade entre 2 e 4 meses, para caminhar na rua no colo é uma ótima medida para habituar o cão aos poucos. É importante não levá-lo para locais muito barulhentos e também não colocá-lo no chão sem estar com a cartela de vacinação completa. Lembrar de levar alguns petiscos para oferecer durante o passeio é importante. Depois de vacinado, o animal pode ficar no chão e deve receber algumas recompensas caso se comporte bem durante o percurso. 

via GIPHY

Também é comum que o pet pare de curtir o passeio se passar por algum trauma ou situação negativa recorrente. Por exemplo, o cão está atravessando a rua com o tutor e, de repente, uma moto em alta velocidade passa muito próximo, o assustando e causando um trauma. Ou ainda, todas as vezes que o pet está caminhando, em determinado portão, outro cão sempre late na sua direção. O pet passa a associar esses sustos com os passeios na rua.

Como resolver o problema?

Usar recompensas alimentares para premiar o pet na rua e ter muita paciência e sensibilidade é fundamental. O trabalho aqui é mostrar para o cãozinho que caminhar na rua é uma atividade prazerosa, divertida e segura.

O primeiro passo é ficar com o bichinho em um local onde ele ainda se sinta calmo (dentro do prédio, na garagem de casa, na calçada em frente a casa), e recompensá-lo com petiscos saborosos. Caminhe para um lado, chame o pet e o recompense. Faça bastante carinho e elogie, mesmo que ele não consiga andar muito.

Aos poucos, tente aumentar o percurso, sem forçar o cão se ele não quiser. Se perceber que o problema do cão é na rua (por causa dos barulhos, veículos, pedestres etc.), inicie o treino de associação positiva em uma praça ou parque. Assim, ele vai aprendendo a caminhar em um local mais agradável, até que esteja apto a seguir em lugares mais movimentados. Com paciência e dedicação, logo o tutor e o pet poderão desfrutar do momento de passear, que se tornará uma atividade agradável, sem sustos ou incômodos. 

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.